2007-03-22

Subject: "Aqui Rex" faz os cães abanarem a cauda para a direita

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the Wild

Este boletim é mantido por simbiotica.org, a Rede Simbiótica de Biologia e Conservação da Natureza

Mantenha-se informado das últimas novidades e troque ideias com todos os que fazem parte desta imensa rede!

 

Em destaque:

"Aqui Rex" faz os cães abanarem a cauda para a direita

 

  Questões ou comentários para: webmaster@simbiotica.org

Dê a rede simbiotica.org a conhecer a um amigo!!

Se estamos felizes e sabemos que sim, abanamos a cauda. Clique aqui para ver um video de um cachorrinho a abanar a cauda para a esquerda e para a direita.

Os cães abanam a cauda para a direita quando vêm algo que lhes agrada e querem abordar e abanam a cauda para a esquerda quando confrontados com algo de que se querem afastar, revelaram investigadores italianos.

A descoberta fornece mais evidências acerca da forma como as metades esquerda e direita do cérebro têm função diferente no controlo das emoções.

Infelizmente, como os cães se mexem tanto, esta tendência apenas pode ser detectada através de análises vídeo. Não é suficientemente óbvia para que possamos dizer se o próximo cão que encontrarmos nos vai lamber a face ou fugir a sete pés.

"Após descobrirmos isto comecei a olhar para todos os cães que encontrava mas a minha impressão é que é muito difícil de verificar fora de um laboratório", diz o psicólogo Giorgio Vallortigara, da Universidade de Trieste. Mas pode ser usada para o bem-estar animal, sugere ele, ajudando a avaliar o estado de espírito de um animal.

Vallortigara testou 30 cães domésticos de várias raças, recrutados através de uma escola de obediência da Faculdade de Veterinária da Universidade de Bari.

Ao longo de uma série de testes, gravaram em vídeo a resposta de cada cão à visão do seu dono, de um estranho humano, de um gato ou de um cão pastor belga malinois, uma raça de grandes dimensões semelhante aos pastores alemães.

Quando viam um humano ou um gato, as caudas abanavam consistentemente para a direita, ainda que o desconhecido e gato recebessem um abanar menos intenso que o dono, talvez porque, no último caso, o cão estava mais interessado em perseguir e esquecia o abanar da cauda, diz Vallortigara.

Quando viam um cão desconhecido, de grande tamanho e intimidante, os cães abanavam mais a cauda para a esquerda. Também o faziam quando ficavam sozinhos sem ninguém para quem olhar, relatam os investigadores na edição mais recente da revista Current Biology.

Estudos prévios mostraram que, em humanos, forte actividade no hemisfério cerebral esquerdo (que controla o lado direito do corpo) está associada à boa disposição. Os estudos humanos também associaram a actividade do hemisfério esquerdo do cérebro ao comportamento de abordagem e a do hemisfério direito à retirada.

 

É sabido que os cães preferem uma pata à outra, a maioria dos cães macho são canhotos, enquanto as fêmeas mostram uma leve tendência para a pata direita, mas o que fazem com a cauda pode ser mais esclarecedor acerca da forma como os seus cérebros funcionam, considera Vallortigara.

"A forma como os membros anteriores não é tão importante em animais não humanos", explica ele, "mas o abanar da cauda é uma resposta emocional importante nos cães."

"É uma forma fascinante de medir a lateralização", diz o neuroscientista Lesley Rogers, da Universidade de New England em Armidale, Austrália. "Pode ser muito valiosa numa série de testes, não apenas para cães mas também para outras espécies com cauda."

A tendência para ser destro ou canhoto já foi observada em peixes, anfíbios, répteis e mamíferos. "As evidências da assimetria do cérebro são muito antigas", diz Vallortigara. "Tudo parece ter começado com os primeiros vertebrados."

Dividir tarefas por um lado ou outro do cérebro evita a duplicação e pode ajudar na tomada de decisão ao reduzir o conflito entre as duas regiões.

Mais intrigante, diz Rogers, é o motivo porque essas tendências também surgem em comportamentos como a fuga. Sapos e frangos, por exemplo, fogem mais facilmente de algo que vejam com o olho esquerdo, sugerindo que um predador pode aprender a abordá-los pela direita. Porque essas tendências não variam ao acaso de animal para animal não é claro.

A equipa de Vallortigara tenciona de seguida analisar se a resposta de aproximação ou recuo de um cão depende do olho ou narina que é estimulado pelo amigo ou inimigo. 

 

 

Saber mais:

Canhotos florescem em sociedades violentas

Polvos têm um braço preferido

Corvos mudam de lado para usar ferramentas

Maioria das morsas são dextras

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

@ simbiotica.org, 2007


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com