2004-01-11

Subject: Genoma da abelha decifrado

News of the Wild

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the  Wild

Este boletim é mantido pelo site Born to be Wild, para que não esqueça o seu lado selvagem ...

 

Em destaque:

Genoma da abelha decifrado 

 

  Questões ou comentários para: borntobewild@clix.pt

Dê o site Born to be Wild a conhecer a um amigo!!

 

Uma primeira versão provisória do genoma da abelha melífera foi tornada pública, num avanço científico que deverá beneficiar igualmente abelhas e Homem. 

A abelha melífera Apis mellifera é um animal de muitos talentos: produz mel, poliniza colheitas e é frequentemente utilizada pelos investigadores que estudam a genética humana, o envelhecimento, doenças várias e comportamentos sociais. Sem as abelhas e a sua polinização, ecossistemas inteiros entravam em colapso, diz Richard Gibbs, chefe de equipa sequenciadora do Baylor College of Medicine em Houston.

O genoma da abelha tem cerca de 1/10 do tamanho do genoma humano, contendo cerca de 300 milhões de pares de bases de DNA. Como é relativamente pequeno, os genes da abelha deverão ser fáceis de identificar, considera o investigador de abelhas Steve Martin, da Universidade de Sheffield, e muitos deverão ser semelhantes aos seus correspondentes humanos. 

O genoma da abelha pode igualmente ajudar a compreender a genética do envelhecimento e do comportamento social, diz Martin. As abelhas-raínha, por exemplo, podem viver até 5 vezes mais tempo que as suas operárias. A descodificação do seu genoma pode ajudar os investigadores a perceber porquê. 

A publicação do genoma de abelha é uma óptima notícia também para os apicultores e para as vítimas de picadas de abelha. 

Em todo o mundo, as abelhas estão ameaçadas por um ácaro resistente aos pesticidas, conhecido por varroa. O aracnídeo, que tem origem asiática, enfraquece as abelhas, tornando-as susceptíveis a infecções fatais. 

 

A nova informação pode ajudar os investigadores a criar estirpes de abelhas resistentes ao varroa, considera Claire Waring, editora do jornal de apicultores Bee Craft. Esse tipo de insecto seria mais saudável e capaz de maior produção de mel. 

Pode igualmente ajudar-nos a entender o comportamento agressivo das abelhas, refere Gibbs. Enxames de abelhas "assassinas", abelhas europeias cruzadas com abelhas africanas, podem atacar e matar pessoas e animais. O genoma pode revelar que genes estão associados a este "mau" comportamento das abelhas. 

Os investigadores depositam esta primeira versão do genoma da abelha no GenBank, uma base de dados pública fornecida pela America's National Institutes of Health. Será brevemente publicada nas bases de dados europeias e japonesas. 

O projecto teve início em 2003, quando o Departamento da Agricultura americano e o National Human Genome Research Institute doaram mais de 7 milhões de dólares para esta investigação. 

Abelha morta por ácaros varroa

 

 

Saber mais: 

Honeybee Genome Project

BeeCraft.com

Inimigos e doenças das abelhas

Alterações genéticas na vida das abelhas

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja receber o boletim Born to be Wild clique aqui!!

Respeitar os animais é respeitarmo-nos a nós próprios!

@ Born to be Wild, 2004


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com