2007-02-26

Subject: Prestes a começar o maior estudo polar dos últimos 50 anos

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the Wild

Este boletim é mantido por simbiotica.org, a Rede Simbiótica de Biologia e Conservação da Natureza

Mantenha-se informado das últimas novidades e troque ideias com todos os que fazem parte desta imensa rede!

 

Em destaque:

Prestes a começar o maior estudo polar dos últimos 50 anos

 

  Questões ou comentários para: webmaster@simbiotica.org

Dê a rede simbiotica.org a conhecer a um amigo!!

O maior programa de investigação polar dos últimos 50 anos está a começar esta semana. O International Polar Year (IPY) vai ter a participação de milhares de cientistas de mais de 60 países, trabalhando juntos em 220 projectos relacionados com as latitudes mais elevadas.

Os cientistas esperam melhorar a sua compreensão da forma como as alterações nas zonas polares estão a afectar o planeta. O IPY será oficialmente lançado em Paris a 1 de Março mas o programa inglês, envolvendo 65 instituições já foi revelado esta segunda-feira.

O IPY decorre ao longo de 2 anos, de forma a permitir uma cobertura equivalente do árctico e do antárctico, e é organizado pelo International Council for Science (ICSU) e pela World Meteorological Organization (WMO).

Já existiram 3 IPY anteriores (1882-83, 1932-33 e 1957-58), cada um levando a um melhor conhecimento destas regiões remotas. O programa inglês de pesquisas é liderado por Cynan Ellis-Evans, mas muitas nações vão trabalhar em conjunto.

Um exemplo desse facto é o Census of Antarctic Marine Life (CAML). O projecto vai investigar a distribuição e abundância da biodiversidade marinha na região e envolve cientistas de 18 países. Planeia ser um termo de comparação para as alterações futuras, incluindo climáticas.

Martin Siegert, que lidera a equipa que vai explorar o Lago Ellsworth, um lago subglacial 2 Km abaixo do gelo antárctico, explicou porque motivo o IPY era tão importante para os cientistas.

"Há 50 anos ocorreu o terceiro International Polar Year porque nãos e sabia quase nada sobre a Antárctica. A situação na realidade não mudou muito, continuamos a saber muito pouco sobre estas regiões mas a diferença é que agora nos apercebemos da sua importância logo a exploração é muito importante na agenda deste IPY", diz Siegert.

Existem seis temas principais de investigação no programa: determinação do estado do ambiente nas regiões polares, quantificar as alterações sociais e ambientais passadas e presentes e melhorar as projecções sobre essas alterações, compreender a ligação entre os pólos e o resto do planeta, investigar as fronteiras da ciência na região, utilizar as áreas polares para desenvolver a observação do interior da Terra e do espaço e explorar aspectos culturais, históricos e sociais das comunidades humanas circumpolares.

 

Um dos institutos que vai ser preponderante no IPY é o British Antarctic Survey (BAS). Chris Rapley, director do BAS, considera que o aumento da consciência relativamente às ameaças colocadas pelas alterações climáticas fazem com que seja o momento ideal para a realização do programa.

Uma das investigações a realizar é tentar compreender quanto e a que velocidade do gelo polar está a derreter, explica Rapley. "As paleo-evidências são escassas pois quando os grandes blocos de gelo do passado desapareceram não deixaram provas de a que velocidade tudo aconteceu. O International Polar Year vai permitir-nos usar os recursos de todas as nações capazes de se dirigir a estes assuntos de forma intensiva e apressar as respostas."

Antes do lançamento do IPY, uma equipa de investigadores do projecto CAML realizou um senso de 10 semanas sobre a vida marinha numa zona intocada do fundo do mar Antárctico. Anteriormente envolvida em gelo desde há milhares de anos, partes da zona ficaram acessíveis desde há 5 anos para cá devido ao colapso da plataforma Larsen B. 

A equipa, liderada por investigadores do Alfred Wegener Institute da Alemanha, descobriu um número de prováveis novas espécies e ganhou nova perspectiva sobre a dinâmica da ecologia polar.

"O que aprendemos a partir desta expedição é apenas a ponta do icebergue, por assim dizer", diz o líder da equipa Michael Stoddart. "Estas descobertas e as viagens do CAML do International Polar Year que se avizinha vão ajudar a lançar luz sobre o efeito das variações do clima afectam as espécies associadas ao gelo que vivem na região." 

 

 

Saber mais:

IPY 2007-08

British Antarctic Survey

Census of Antarctic Marine Life

DTI

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

@ simbiotica.org, 2007


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com