2007-02-12

Subject: Aumentam os furtos de animais exóticos em zoos

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the Wild

Este boletim é mantido por simbiotica.org, a Rede Simbiótica de Biologia e Conservação da Natureza

Mantenha-se informado das últimas novidades e troque ideias com todos os que fazem parte desta imensa rede!

 

Em destaque:

Aumentam os furtos de animais exóticos em zoos

 

  Questões ou comentários para: webmaster@simbiotica.org

Dê a rede simbiotica.org a conhecer a um amigo!!

Na escuridão da noite, ladrões armados com tesouras para cortar arame e gaiolas estão a roubar espécies ameaçadas dos jardins zoológicos e de colecções privadas por todo o mundo.

No último mês cerca de 50 aves exóticas foram roubadas de uma colecção privada no Reino Unido e em Dezembro um par de valiosos papagaios cinzentos africanos desapareceram do zoo de Adelaide, Austrália. No ano passado, um raro lagarto chuckwalla foi levado do zoo de Oklahoma nos Estados Unidos e a lista é infindável.

John Hayward, antigo polícia e agora director do Registo de Roubos do Reino Unido, uma base de dados para animais roubados, diz que o roubo de espécies exóticas e ameaçadas está em crescendo.

"Se alguém quer um animal exótico, a probabilidade não é de irem a uma floresta tropical para o encontrar", diz ele. "É muito mais fácil ir à colecção privada de alguém e roubar um."

Dos 60 zoos ingleses, acrescenta ele, 5 foram alvo de um gang criminoso que no ano passado roubou perto de 200 animais, na sua maioria aves exóticas, pequenos primatas e répteis raros.

Hayward diz que os animais roubados acabam no mercado negro dos animais de estimação, em circos de beira de estrada ou em colecções privadas. Outros são usados em programas de procriação.

O dinheiro é sempre o motivo. Quanto mais rara ou ameaçada for a espécie, maior o valor que o animal alcança no mercado negro. "Vemos este tipo de roubo como algo semelhante ao roubo de arte ou de antiguidades", diz Hayward. 

Os animais são geralmente transportados para diferentes países, acrescenta ele, tornando difícil apanhar os maus da fita. Por esse motivo, Hayward gostava que outros países tivessem o seu próprio registo do roubo de animais exóticos, pois acredita que uma rede mundial deste tipo ajudaria a aumentar a taxa de recuperação de animais roubados e levaria a mais prisões.

Harry Schram, director da European Association of Zoos and Aquaria (EAZA) de Amesterdão, com 306 membros, considera que 40% dos zoos já foram vítimas desta situação. As instalações, estão, por isso mesmo, cada vez mais cuidadosas na segurança.

Mas estes esforços têm custos elevados, retirando fundos de importantes programas de procriação e conservação. Para além da instalação de câmaras e a contratação de guardas, a maioria dos zoos coloca microchips de identificação nos animais e todos os membros da EAZA e a polícia são imediatamente alertados em caso de roubo.

 

"Tentamos trocas o máximo de informação com outros zoos e coleccionadores", diz Schram. "Temos todo o interesse em ter a certeza que se reduz ao máximo os roubos."

Para impedir que os gatunos e os traficantes saibam o verdadeiro valor dos animais, numa tentativa de tirar a tentação de os roubar, os zoos europeus não os vendem. "Geralmente trocamos os animais entre os zoos apenas a troco do custo do transporte", explica Schram. "Não têm qualquer valor económico no interior da comunidade de zoos EAZA."

Os zoos europeus não são os únicos com problemas com os roubos. Os americanos também vêm desaparecer os seus exemplares mais valiosos: duas koalas fêmea foram roubadas do zoo de San Francisco há já alguns anos, por exemplo. Os ladrões subiram para o telhado do complexo e arrombaram uma clarabóia mas, seguindo uma pista anónima, as autoridades acabaram por recuperar os marsupiais.

Mais recentemente um crocodilo chinês com 3,6 Kg baptizado Mr. Grumpy desapareceu do Ellen Trout Zoo de Lufkin, Texas. Os funcionários acreditam que o réptil foi roubado, ainda que o director Gordon Henley tenha referido não haver sinais de arrombamento. Já muitos visitantes tinham conseguido trepar a vedação de 2 metros de altura para tirar fotografias aos animais.

Não é a primeira vez que algo deste tipo acontece, acrescenta o director do zoo. Há animais roubados pelo menos uma vez a cada 5 ou 6 anos, diz Henley, mas ainda assim ele permanece esperançado na recuperação do crocodilo com um metro de comprimento, desaparecido desde Dezembro. "Temos tido grande sucesso no passado, se os animais foram realmente roubados, na sua recuperação." 

 

 

Saber mais:

Protected Species, Animal Products for Sale Online

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

@ simbiotica.org, 2007


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com