2004-01-08

Subject: Descoberto novo predador de lulas gigantes

News of the Wild

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the  Wild

Este boletim é mantido pelo site Born to be Wild, para que não esqueça o seu lado selvagem ...

 

Em destaque:

Descoberto novo predador de lulas gigantes

 

  Questões ou comentários para: borntobewild@clix.pt

Dê o site Born to be Wild a conhecer a um amigo!!

 

Uma espécie pouco conhecida de tubarão, que vive nas águas ao largo da Antárctica, é o segundo animal conhecido da ciência a caçar as lulas gigantes e colossais. Os tubarões "sleeper" Somniosus pacificus parecem ter como alvo as maiores lulas, que atingem mais do dobro do seu tamanho. 

Até agora apenas o cachalote era conhecido por depender das lulas gigantes e colossais como presas, mas quando a equipa de biólogos marinhos franceses abriu o estômago de 36 sleepers mortos acidentalmente por redes de arrasto, recolheram os vestígios de 49 lulas colossais e 8 lulas gigantes.

A investigação foi conduzida por Yves Cherel, do Centre d'Etudes Biologiques de Chize, e por Guy Duhamel, do Museum National d'Histoire Naturelle. Os tubarões sleeper foram capturados nas águas do sul, ao largo das ilhas do arquipélago de Kerguelen. 

As lulas gigantes Architeuthis dux as suas parentes ainda maiores, as lulas colossais Mesonychoteuthis hamiltoni, estão entre as criaturas mais misteriosas e fascinantes dos oceanos. Não se sabe virtualmente nada sobre o seu comportamento, pois nunca foram observadas no seu habitat natural. 

Estes monstros dos dias modernos, vivem a grande profundidade (até 600 metros, ou seja, cerca de 350 metros abaixo da profundidade a que um submarino pode operar), na mais completa escuridão. Pensamos que ambas as espécies de lulas vivem a profundidades semelhantes, refere o doutor Cherel, e os tubarões capturam-nas em todas as idades e tamanhos. 

A maior parte do que sabemos sobre a biologia das grandes lulas deriva da análise de espécimes mortos, capturados por redes de arrasto ou que vêm dar à costa. A lula gigante atinge os 12 m de comprimento, a maior parte dos quais deriva dos seus dois tentáculos frontais, mais longos. A lula colossal pode atingir os 14 m ou mais.

 

Pelo contrário, os tubarões sleeper apenas atingem os 7,3 m, o que torna um grande mistério a forma como conseguem capturar as suas presas. Sleepers são conhecidos por serem necrófagos, bem como predadores, logo podem estar a devorar carcaças, confessa Cherel. No entanto, as lulas jovens devem ser capturadas vivas. 

Os pescadores não relataram a presença de cicatrizes nos tubarões, devidas a lutas com as lulas, que poderiam resultar em ferimentos do seu poderoso bico. Estas cicatrizes são muito comuns nos cachalotes. 

Estes cefalópodes gigantescos são ocasionalmente encontrados como presas de tubarões no Atlântico norte, ao largo da África do Sul e no oeste da Austrália, mas o tubarão sleeper é a única espécie conhecida que procura deliberadamente lulas gigantes e colossais como alimento. 

A equipa francesa encontrou igualmente vestígios de uma espécie desconhecida de polvo gigante no estômago de um dos tubarões. 

 

 

Saber mais: 

Centre d'Etudes Biologiques de Chize

Museum Natural d'Histoire Naturelle, Paris

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja receber o boletim Born to be Wild clique aqui!!

Respeitar os animais é respeitarmo-nos a nós próprios!

@ Born to be Wild, 2004


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com