2007-01-30

Subject: Cobras que se deleitam em comer veneno

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the Wild

Este boletim é mantido por simbiotica.org, a Rede Simbiótica de Biologia e Conservação da Natureza

Mantenha-se informado das últimas novidades e troque ideias com todos os que fazem parte desta imensa rede!

 

Em destaque:

Cobras que se deleitam em comer veneno

 

  Questões ou comentários para: webmaster@simbiotica.org

Dê a rede simbiotica.org a conhecer a um amigo!!

Diz-se que somos o que comemos e parece que o ditado é particularmente verdadeiro para a cobra Rhabdophis tigrinus pois os zoólogos descobriram que este réptil se alimenta de sapos venenosos e aproveita o veneno para si própria.

Em vez de se dar ao trabalho de fabricar o seu próprio veneno, a R. tigrinus, nativa da Ásia, retira o veneno das suas presas e transporta-o para as suas glândulas de veneno.

As cobras alimentam-se de uma vasta gama de presas, incluindo frequentemente sapos que segregam venenos defensivos, conhecidos por bufadienolidos, através da pele. Quando têm uma dieta com estes sapos, as glândulas de veneno da cobra enchem-se com um veneno praticamente idêntico quimicamente, relata Deborah Hutchinson da Universidade Old Dominion em Norfold, Virginia.

As cobras que não têm sapos na sua dieta não recolhem veneno, acrescentam os investigadores no seu artigo na revista Proceedings of the National Academy of Sciences.

Muitos invertebrados, como as lesmas do mar, recolhem e armazenam toxinas das plantas de que se alimentam de forma a tornarem-se pouco apetitosos para os predadores. 

Algumas espécies de rãs venenosas também obtêm as suas toxinas de insectos da sua dieta mas exemplos de predadores vertebrados que utilizam veneno retirado de presas vertebradas são raros e a única outra espécie que se sabe faze-lo apenas é capaz de armazenar o veneno temporariamente.

 

As cobras armazenam o veneno em estruturas chamadas glândulas nucais, localizadas na base do pescoço. Quando confrontadas com um falcão, os seus predadores principais, montam uma exibição defensiva, arqueando o pescoço para apresentar as glândulas. Se a ave morde ou aranha a cobra, o veneno é libertado.

As cobras sem sapos, logo sem veneno, na sua dieta não realizam estas exibições, descobriu Hutchinson. "Essas cobras apenas se limitam a fugir."

Mas se existe veneno suficiente, as mães mesmo podem fornecer veneno às crias antes destas chocarem, através da gema dos ovos ou transferindo-o através das paredes do canal ovopositor mais tarde no desenvolvimento.

Hutchinson e a sua equipa ainda não sabem exactamente de que forma as cobras recolhem o veneno e o transferem para as suas glândulas de veneno sem que seja digerido. Também não está claro de que forma a toxina é quimicamente modificada ou qual das versões é mais potente. 

 

 

Saber mais:

Proceedings of the National Academy of Sciences

Veneno das cobras teve origem em órgãos vitais

Serpentes australianas adaptam-se a sapo venenoso

Rãs e aves retiram veneno de besouros

Cobras ajudam na lavandaria

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

@ simbiotica.org, 2007


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com