2007-01-24

Subject: Um terço das espécies de peixe do Rio Amarelo já se extinguiram

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the Wild

Este boletim é mantido por simbiotica.org, a Rede Simbiótica de Biologia e Conservação da Natureza

Mantenha-se informado das últimas novidades e troque ideias com todos os que fazem parte desta imensa rede!

 

Em destaque:

Um terço das espécies de peixe do Rio Amarelo já se extinguiram

 

  Questões ou comentários para: webmaster@simbiotica.org

Dê a rede simbiotica.org a conhecer a um amigo!!

Mais de 30% das espécies de peixe do Rio Amarelo já se extinguiram, revelaram funcionários governamentais chineses esta semana. "Existiam mais de 150 espécies de peixes a viver no Rio Amarelo mas agora um terço desapareceu de vez", referiu o ministro da agricultura num jornal local.

O funcionário do ministério da agricultura também referiu que as capturas n rio declinaram em 40% e enfatizou o papel do Homem, com a construção de barragens e a poluição, nesta catástrofe ambiental. "A sobre-exploração, as descargas sucessivas e os projectos hidroeléctricos ao longo do rio degradaram o ecossistema fluvial", disse ele.

O governo chinês estima que 66% da água do Rio Amarelo esteja tão poluída que é imprópria para consumo humano. Jennifer Turner, chefe do fórum sobre o ambiente chinês do Woodrow Wilson International Center for Scholars em Washington, D.C., diz que as águas poluídas do rio são o reflexo de um problema nacional que ameaça tanto a vida selvagem como a saúde pública.

"O Rio Amarelo é o rio mãe", diz Turner, referindo-se ao facto de esta via fluvial ter sido crucial para o desenvolvimento da civilização chinesa no norte do país. "Se o rio mãe está doente, é uma forte indicação de que a China não tem capacidade para proteger os seus recursos hídricos."

O governo chinês também considera que perto de 70% dos rios e lagos do país estão fortemente poluídos.

O Rio Amarelo é o segundo maior rio da China, logo a seguir ao Yangtze, percorrendo perto de 5500 Km desde o planalto árido de Qinghai no Tibete à baía Bo Hai no Mar Amarelo. Ao longo do seu percurso, o rio é fonte de água para mais de 155 milhões de chineses.

Mas o rio tem sofrido uma diminuição do caudal nos últimos anos, a ponto de em anos de seca não chegar água a certas zonas. A redução da precipitação é apontada como causa desta redução e sugere que as alterações climáticas podem piorar o problema.

 

Ainda assim, a acção humana também tem responsabilidades, com as toneladas de água removida do rio para alimentar as florescentes cidades, industrias e campos agrícolas ao longo das margens. "O problema é o rápido desenvolvimento da bacia do rio nos últimos 25 anos", diz Turner.

Em 2006 o nível do rio atingiu mínimos históricos, uma situação que exacerba o problema da poluição. "A diluição é a solução para a poluição", diz Turner, "logo o rio estar a secar tem sido o golpe final para as populações de peixe."

Apesar das espécies extintas estarem perdidas para sempre, outras ainda podem ser salvas e as águas do rio podem ser limpas. Turner diz que tudo tem que começar com alterações políticas. 

"As reformas económicas chinesas foram bem sucedidas porque descentralizaram a autoridade para os governos locais", explica ela, "mas a sua motivação é o desenvolvimento económico. Muitos dos problemas de poluição estão associados a corrupção e o governo central não tem tido poder para aplicar as leis ambientais." 

 

 

Saber mais:

Woodrow Wilson International Center for Scholars

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

@ simbiotica.org, 2007


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com