2004-01-06

Subject: Águia de asa redonda de volta ao Reino Unido

News of the Wild

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the  Wild

Este boletim é mantido pelo site Born to be Wild, para que não esqueça o seu lado selvagem ...

 

Em destaque:

Águia de asa redonda de volta ao Reino Unido

 

  Questões ou comentários para: borntobewild@clix.pt

Dê o site Born to be Wild a conhecer a um amigo!!

 

A águia de asa redonda, como é vulgarmente conhecida em Portugal, após 2 séculos de perseguição humana está a recuperar. A águia Buteo buteo é novamente uma visão familiar em todo o reino de sua majestade, incluindo os centros de grandes cidades. 

No entanto, o seu regresso está a ser contestado por muitos, que consideram que se o seu número não for controlado, muitas outras aves ameaçadas estarão em perigo devido à predação. Os últimos números da organização conservacionista British Trust for Ornithology (BTO) indicam um aumento de 404% do efectivo desta águia no sudeste de Inglaterra, desde 1994. 

Com cerca de 120000 adultos reprodutores no Reino Unido, esta é uma espantosa recuperação, da parte de uma ave praticamente dizimada pelos agricultores e criadores de gado, que a consideravam uma peste. Esta recuperação deve-se, segundo os especialistas, a um controlo mais rigoroso dos pesticidas, redução da perseguição e à recuperação da população de coelhos, sua principal presa, após a mixomatose. No entanto, esta águia também se alimenta de outros pequenos mamíferos, invertebrados e carniça.

Na Escócia, os guardas de caça culpam a águia, uma espécie protegida, pela morte de milhares de perdizes, faisões, galos silvestres e outras aves semelhantes, tendo recentemente ganho o apoio do parlamento escocês para um estudo independente sobre o impacto da águia na vida selvagem. 

Os guardas de caça alegam que o efectivo da águia terá subido mais de 1000%, levando à perda de milhares de libras anuais, devido à morte de aves de caça nas reservas. Alegam que não pretendem a exterminação da águia mas o seu efectivo controlado e reduzido para níveis sustentáveis. 

A caça a aves contribui com mais de 1 bilião de euros anuais para a economia rural britânica, onde mais aves deste tipo são criadas e libertadas todos os anos que no resto do mundo, incluindo 35 milhões de faisões por ano. Os faisões são especialmente vulneráveis alegam os guardas, pois são criados em cercas no Verão e libertados para a época de caça de Inverno. 

A consequência óbvia é o aumento de abates ilegais desta águia, justificados com a impossibilidade de defesa das reservas de caça destes predadores, por parte dos seus donos.

 

Os conservacionistas negam que o regresso da águia esteja a ser feito à custa de outras espécies. Insistem que a ideia de que a presença de uma ave de rapina seja algo mau é totalmente errada, a grande ameaça à sobrevivência de galos silvestres e outras aves é a perda de habitat. 

As águias não capturam muitas aves, preferindo insectos, minhocas, coelhos e lebres. No caso de aves criadas, como os faisões, a sua acumulação em números não naturais pode ser uma tentação mas medidas podem ser tomadas para afastar as águias: redução do número de poleiros possíveis na zona de libertação, utilização de espantalhos (CD brilhantes pendurados nas árvores, por exemplo) e o aumento da idade com que os faisões são libertados. 

No entanto, os seus delatores consideram que o verdadeiro problema não são os ataques directos mas sim a existência de grandes concentrações de aves de rapina. A sua presença causa stress nas aves jovens, que deixam de se alimentar e adoecem, algo que o novo estudo pretende demonstrar.

 

 

Saber mais: 

British Trust for Ornithology

Royal Society for the Protection of Birds

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja receber o boletim Born to be Wild clique aqui!!

Respeitar os animais é respeitarmo-nos a nós próprios!

@ Born to be Wild, 2004


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com