2006-10-02

Subject: Células adultas diferenciadas são capazes de produzir clones

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the Wild

Este boletim é mantido por simbiotica.org, a Rede Simbiótica de Biologia e Conservação da Natureza

Mantenha-se informado das últimas novidades e troque ideias com todos os que fazem parte desta imensa rede!

 

Em destaque:

Células adultas diferenciadas são capazes de produzir clones

 

  Questões ou comentários para: webmaster@simbiotica.org

Dê a rede simbiotica.org a conhecer a um amigo!!

Ao clonar dois ratos a partir de células destinadas a nunca mais se dividirem, os investigadores americanos desafiaram a noção de que a clonagem de mamíferos é mais fácil a partir de células estaminais ou de outro tipo de célula que ainda mantenha capacidade de divisão. 

Na clonagem os investigadores usaram uma técnica conhecida como transferência nuclear em células somáticas, na qual o núcleo de uma célula (uma célula de pele, por exemplo) é inserido num óvulo a que se retirou o núcleo. Este processo, pensa-se, vai reprogramar o DNA do núcleo, efectivamente ultrapassando o programa genético que leva a célula de pele a comportar-se como tal e substituindo-o com um que pode orquestrar o desenvolvimento de um embrião.

Pensava-se que as células estaminais, ainda totipotentes, eram mais fáceis de reprogramar logo seriam melhores para a clonagem. O seu programa genético é considerado menos enraizado do que o de células diferenciadas e já comprometidas em tornar-se parte da pele ou do osso, para o resto das suas vidas.

Jerry Yang, da Universidade do Connecticut em Storrs, Tao Cheng da Universidade de Pittsburgh, Pennsylvania, e as suas equipas testaram esta ideia usando células sanguíneas frescas de rato em três estádios diferentes de diferenciação.

Um grupo de células estaminais eram pouco diferenciadas e capazes de produzir todos os tipos de células sanguíneas, um segundo grupo estava diferenciado de forma a apenas alguns tipos e um último terceiro grupo era composto por glóbulos brancos completamente diferenciados (granulócitos).

A equipa descobriu que os granulócitos era na realidade mais fáceis de clonar, perto de 35% das tentativas para clonar estas células resultaram em embriões após a transferência e duas eventualmente originaram animais que chegaram a nascer, ainda que tenham morrido rapidamente. Em comparação, apenas 11% dos clones resultaram das células intermédias e menos de 8% das menos diferenciadas, o que "é muito surpreendente", diz Yang.

Yang salienta que o resultado pode ser interessante para os investigadores que esperam, no futuro, clonar as células de um paciente para usar o embrião como fonte de células estaminais para tratamento génico. Os resultados mostram que pode ser possível obter o núcleo de uma simples célula sanguínea de um paciente, em vez de usar células especiais.

Infelizmente, os investigadores não têm a certeza do motivo porque estas células sanguíneas diferenciadas são mais fáceis d clonar do as células estaminais sanguíneas.

 

É possível que os granulócitos contenham uma mistura particular de factores bioquímicos que as torna mais fácil de clonar ou as células estaminais sanguíneas podem ter particularidades que as tornam mais difíceis de clonar que outras células estaminais, diz Ian Wilmut da Universidade de Edimburgo, líder da equipa que clonou a ovelha Dolly. 

Está claro que a clonagem a partir de células estaminais embrionárias tem uma taxa de sucesso muito mais elevada que com os restantes tipos de células. "É certamente uma surpresa", diz Wilmut acerca do trabalho. "As pessoas têm que olhar para todos os tipos de célula com uma mente mais aberta."

Os investigadores ainda estão a tentar perceber o que torna possível clonar a partir de um tipo de célula e não de outro, ou mesmo duas células do mesmo tipo. A clonagem de células adultas é notoriamente difícil e pouco eficaz, sendo muitos mamíferos clonados anormais ou com mortes prematuras.

Os cientistas há muito que debatem se a clonagem a partir de tecidos adultos é pouco eficiente porque a reprogramação não funciona muito bem ou porque os clones produzidos crescem a partir de células estaminais raras, disseminadas entre todas as células diferenciadas (a ovelha Dolly foi clonada a partir de uma célula de tecido mamário adulto mas não se sabe se era uma célula diferenciada ou estaminal).

Este estudo indica que a primeira noção pode ser a correcta. Trabalhos mais recentes têm tido como alvo tornar as células adultas mais fáceis de reprogramar (veja-se, por exemplo, "Simple recipe gives adult cells embryonic powers").

 

 

Saber mais:

Clones devem ter sentimento de individualidade

Criador de Dolly autorizado a clonar embriões humanos

Clones podem ajudar na cura de doenças neurológicas motoras

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

@ simbiotica.org, 2006


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com