2006-10-01

Subject: Águas conturbadas para tubarões

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the Wild

Este boletim é mantido por simbiotica.org, a Rede Simbiótica de Biologia e Conservação da Natureza

Mantenha-se informado das últimas novidades e troque ideias com todos os que fazem parte desta imensa rede!

 

Em destaque:

Águas conturbadas para tubarões

 

  Questões ou comentários para: webmaster@simbiotica.org

Dê a rede simbiotica.org a conhecer a um amigo!!

Uma nova estimativa, muito conservadora, indica que entre 26 e 73 milhões de tubarões são mortos anualmente em todo o mundo. Este número é três a quatro vezes mais elevado que os números relatados pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura.

Há muito que os cientistas suspeitam que os números das Nações Unidas são demasiado baixos, graças à enorme fatia de comércio ilegal, irregulado e não registado de partes de tubarão mas os dados estavam a ser difíceis de obter.

"Números tão altos como 100 milhões andavam a flutuar por aí há algum tempo mas não havia forma de saber se eram rigorosos", diz Ellen Pikitch, directora executiva do Instituto Pew para a Oceanografia da Universidade de Miami e autor do artigo publicado na edição desta semana da revista Ecology Letters

Para obter uma melhor imagem da situação, Pikitch entrou nos leilões e mercados negros de Hong Kong e Taiwan, tendo chegado à primeira estimativa independente das pescas, que revela o comércio anual de dezenas de milhões.

Desde há séculos que os chineses apreciam a sopa de barbatana de tubarão, utilizam a sua cartilagem para massas e outros produtos, considerando que trazem longa vida aqueles que as comem.

O tubarão inteiro raramente chega aos portos onde os pescadores relatam as suas capturas, pois a carne de tubarão não é considerada valiosa devido ao seu elevado conteúdo em ureia. Assim, as barbatanas são geralmente removidas e as carcassas simplesmente atiradas ao mar.

É praticamente impossível identificar as espécies capturadas a partir das barbatanas secas, muitas são mesmo identificadas como outro tipo de peixe. "Os únicos dados disponíveis anteriormente eram escassos e de pouca confiança", diz Pikitch.

 

Assim, Pikitch e os seus colegas, incluindo a autora principal Shelley Clarke do Joint Institute for Marine and Atmospheric Research em Shizuoka, Japão, traduziram os registos dos leilões de venda de barbatanas de forma a obter uma estimativa do número de tubarões.

Também usaram técnicas de DNA fingerprinting em amostras seleccionadas para identificar os tipos de tubarão que eram mais vezes capturados, aplicando depois um modelo matemático para estimar a magnitude total do comércio de barbatanas.

Apesar das avaliações totais das populações ainda não puderem ser feitas, a investigação sugere que uma das espécies vulgarmente comercializada, o tubarão azul Prionace glauca com capturas da ordem dos 10 milhões anuais, pode estar para além do limiar de sustentabilidade. A espécie já está listada como "baixo risco" ou "quase ameaçada" pela World Conservation Union (IUCN).

Pikitch diz que com o colapso dos mercados tradicionais de carne de peixe branca a pressão sobre as populações de tubarão está a aumentar. "Há cada vez mais utilização do tubarão", diz ela, "sabemos que estão a ser consumidos em locais onde nunca antes tinham sido."

Cerca de 20% das espécies de tubarão estão ameaçadas de extinção de acordo com a Red List da IUCN de 2006. 

 

 

Saber mais:

IUCN

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

@ simbiotica.org, 2006


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com