2006-06-27

Subject: Ambiente uterino pode tornar os homens gay/Descoberta no Bornéu cobra que muda de cor

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the Wild

Este boletim é mantido por simbiotica.org, a Rede Simbiótica de Biologia e Conservação da Natureza

Mantenha-se informado das últimas novidades e troque ideias com todos os que fazem parte desta imensa rede!

 

Em destaque:

Ambiente uterino pode tornar os homens gay

 

  Questões ou comentários para: webmaster@simbiotica.org

Dê a rede simbiotica.org a conhecer a um amigo!!

A orientação sexual de um homem pode ser determinada pelas condições do útero, revela um novo estudo agora publicado.

Estudos anteriores tinham já revelado que quanto mais irmãos mais velhos o rapaz tivesse maior a probabilidade de ser gay mas a razão para esse fenómeno continuava desconhecida. Agora, um estudo canadiano mostrou que o efeito é provavelmente devido à biologia e não aos factores sociais.

Anthony Bogaert, da Universidade Brock em Ontário, Canadá, estudou 944 homens hetero e homossexuais com irmãos biológicos (que tinham a mesma mãe) ou com irmãos não-biológicos (adoptados ou meio-irmãos com o mesmo pai e diferente mãe).

Ele descobriu que a ligação entre o número de irmãos mais velhos e a homossexualidade apenas existia quando os irmãos partilhavam a mesma mãe.

A quantidade de tempo que o indivíduo passava com os irmãos mais velhos, ao crescer, no entanto, não afectava a sua orientação sexual.

No seu artigo, Bogaert refere: "Se a criação ou factores sociais associados a irmãos mais velhos estivesse na base da associação à homossexualidade, então o número de irmãos mais velhos não-biológicos devia permitir prever a orientação sexual do homem mas tal não acontece. Estes resultados apoiam uma origem pré-natal do desenvolvimento da orientação sexual nos homens."

Ele sugeriu que o efeito se deve, provavelmente, a uma "memória maternal" para os nascimentos masculinos a nível do útero.

O corpo de uma mulher pode ver o feto masculino como algo estranho, diz ele, desencadeando uma reacção imunitária que se pode tornar progressivamente mais forte com cada criança do sexo masculino. Os anticorpos criados podem afectar o desenvolvimento do cérebro masculino.

Num artigo que acompanha a publicação deste estudo, cientistas da Universidade Estatal do Michigan referem: "Estes dados reforçam a noção de que o denominador comum entre os irmãos biológicos, a mãe, fornece um ambiente pré-natal que propicia a homossexualidade nos seus filhos mais novos. No entanto, permanece em aberto a questão dos mecanismos que controlam este efeito."

Andy Forrest, porta-voz do grupo activista dos direitos dos homossexuais Stonewall, comentou: "Cada vez há mais evidências credíveis que parecem indicar que o ser gay é determinado geneticamente e não apenas uma opção de vida. Reforça também o facto de que as lésbicas e os gay devem ser tratados com igualdade na sociedade e não descriminados por algo que é tão herdado como a cor da pele."

 

Outras Notícias:

Descoberta no Bornéu cobra que muda de cor

Uma cobra com a capacidade de mudar de cor foi descoberta na floresta tropical do coração do Bornéu. Investigadores alemães e americanos descobriram a cobra de água com o comportamento de camaleão por acidente, quando a colocaram num balde escuro.

O WWF acredita que a nova espécie apenas existe no rio Kapuas, no Parque Nacional Betung Kerihun em Kalimantan: Foi baptizada Enhydris gyii, tem cerca de 50 cm de comprimento e é venenosa.

A espécie foi descrita por Mark Auliya do Zoologisches Forschungsmuseum Alexander Koenig de Bona e por John Murphy e Harold Voris do Field Museum of Natural History de Chicago.

Auliya, consultor do WWF, descobriu por acaso a capacidade da cobra para mudar de cor. "Coloquei a cobra castanho-avermelhado num balde escuro", explica ele, "e quando a retirei após alguns minutos estava quase toda branca."

As razões porque o animal terá desenvolvido esta capacidade não são claras. O camaleão, possivelmente o animal mais famoso pela suas alterações de cor, fá-lo de acordo com a sua disposição e temperatura, segundo se acredita.

Nos últimos 10 anos, mais de 350 novas espécies de animais e plantas foram descobertas no Bornéu. "A descoberta desta cobra-camaleão é a revelação de mais um dos muitos segredos guardados no coração do Bornéu", diz Stuart Chapman, coordenador internacional do WWF na ilha. 

 

 

Saber mais:

PNAS

WWF International

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

@ simbiotica.org, 2006


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com