2006-06-05

Subject: Homens mais velhos têm esperma mais duvidoso?

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the Wild

Este boletim é mantido por simbiotica.org, uma rede simbiótica de Biologia e Conservação da Natureza

mantenha-se informado das últimas novidades e troque ideias com todos os que fazem parte desta rede!

 

Em destaque:

Homens mais velhos têm esperma mais duvidoso?

 

  Questões ou comentários para: webmaster@simbiotica.org

Dê a rede simbiotica.org a conhecer a um amigo!!

As mulheres que ficam irritadas com a falta do chamado relógio biológico nos homens podem agora ter algum (fraco) consolo no resultado de um estudo sobre o DNA dos espermatozóides, que revelou que os defeitos genéticos podem começar a aumentar com a idade do homem, reduzindo-lhe a fertilidade.

Perto de 100 homens com idades entre os 22 e os 80 anos que trabalharam no Lawrence Livermore National Laboratory na Califórnia, doaram uma amostra de sémen para o estudo. As amostras foram seguidamente gravadas em vídeo, contadas e testadas na vizinha Universidade da Califórnia, Berkeley.

Comparados com os seus colegas mais novos, os homens mais velhos tinham cinco vezes mais espermatozóides com altos níveis de fragmentação no seu DNA, situação associada à infertilidade. Os espermatozóides dos homens mais velhos também apresentavam maior probabilidade de apresentar uma mutação que causa acondroplasia, a forma mais vulgar de nanismo.

Mas não parece haver um efeito relacionado com a idade sobre a incidência da mutação que origina o síndroma de Down, fortemente associado à questão da idade da mãe. O estudo foi agora publicado esta semana na revista Proceedings of the National Academy of Sciences.

Cada vez mais as pessoas escolhem atrasar a procriação, diz Brenda Eskenazi, uma epidemiologista de Berkeley e uma das principais investigadoras do projecto. "Os homens precisam de começar a considerar não apenas a fertilidade da parceira mas também a sua capacidade de produzir uma descendência saudável." Ela acrescenta que os efeitos da idade em muitas das anomalias genéticas possíveis nos espermatozóides permanecem por testar.

 

As análises de rotina ao esperma contam o número, a mobilidade e a forma dos espermatozóides mas os testes normais não analisam o DNA em busca de fragmentação ou da mutação para a acondroplasia.

Craig Niederberger, urologista da Universidade do Illinois em Chicago, diz que os resultados são interessantes mas acrescenta que está muito cauteloso acerca das medidas de fragmentação de DNA. Alguns estudos prévios não descobriram que a fragmentação do DNA estivesse directamente associada ao resultado da gravidez numa clínica de fertilidade.

"Até há muito pouco tempo, quando apenas realizávamos análises de sémen como indicação, parecia que o potencial reprodutor dos homens era estável ao longo de toda a vida", diz Niederberger. "Agora que temos ferramentas para investigar o DNA dos espermatozóides estamos a começar a verificar potenciais efeitos da idade, mas ainda é cedo para tirar resultados conclusivos."

 

 

Saber mais:

Proceedings of the National Academy of Sciences

Lawrence Livermore National Laboratory

Brenda Eskenazi's research

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

@ simbiotica.org, 2006


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com