2006-05-22

Subject: Dieta rica em leite pode trazer mais gémeos

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the Wild

Este boletim é mantido por simbiotica.org, uma rede simbiótica de Biologia e Conservação da Natureza

mantenha-se informado das últimas novidades e troque ideias com todos os que fazem parte desta rede!

 

Em destaque:

Dieta rica em leite pode trazer mais gémeos

 

  Questões ou comentários para: webmaster@simbiotica.org

Dê a rede simbiotica.org a conhecer a um amigo!!

Uma dieta rica em leite e outros produtos lácteos pode aumentar as hipóteses de uma mulher ter gémeos, propõe um médico americano, com base num estudo de mulheres vegetarianas.

A taxa de nascimento de gémeos nos Estados Unidos subiu mais de 75% entre os anos de 1980 e 2003. Parte desta subida pode ser explicada pela utilização de tratamentos de fertilidade, que sobem o risco de nascimentos múltiplos mas nunca a sua totalidade, dizem os investigadores. Atendendo a que uma gravidez de gémeos é mais arriscada tanto para a mãe como para a criança, os cientistas estão muito interessados em saber o que pode estar por trás desta subida.

Gary Steinman do Long Island Jewish Medical Center em New Hyde Park, Nova Iorque, efectuou uma comparação simples: recolheu registos dos partos de mais de 1000 mulheres vegetarianas que não consomem qualquer tipo de produto de origem animal. Calculou que as mulheres vegetarianas tinham cerca de 5 vezes menos probabilidade de terem gémeos que as mulheres omnívoras ou vegetarianas que comem produtos lácteos. 

Steinman sugere que a diferença na taxa de produção de gémeos se resume a uma diferença na dieta das mães. Ele sugere que os alimentos resultantes de produtos animais, em particular os lácteos, podem promover a produção de uma proteína, designada factor de crescimento do tipo insulina ou IGF, nas mulheres. Este facto promove a libertação de oócitos pelos ovários, logo aumenta a probabilidade de mais do que um poder ser fecundado na mesma altura. Há um grande aumento na utilização de hormonas de crescimento nas vacas leiteiras, o que pode estar a ter impacto nesta situação.

Apesar do estudo ser preliminar, Steinman aponta para outras evidências que apoiam a sua teoria. Investigações prévias já tinham mostrado que as mulheres estritamente vegetarianas tinham níveis de IGF inferiores aos das outras mulheres. Outros estudos sugeriam que a taxa de produção de gémeos é mais elevada em países que consomem mais leite.

A hipótese é muito interessante, diz Paul Haggerty que estuda nutrição, fertilidade e doenças associadas no Rowett Research Institute de Aberdeen, Reino Unido, mas existem outras razões para o facto de as mulheres vegetarianas terem menos gémeos, salienta ele. As mulheres que bebem leite tendem a ser mais gordas ou melhor nutridas e as mulheres mais pesadas têm maior probabilidade de ter gémeos. Alternativamente, podem estar em falta certos nutrientes na dieta nas mulheres vegetarianas.

 

É prematuro que as mulheres comecem a alterar a sua dieta como forma de reduzir o risco de terem gémeos, diz Haggerty: "Há muitas pontas soltas ainda."

O ter gémeos é frequentemente característico de certas famílias, o que mostra que a probabilidade desta ocorrência é parcialmente determinada pelos genes. Mulheres mais velhas também têm mais probabilidade de ter gémeos, logo a subida do número de mães mais velhas, associada aos tratamentos de fertilidade, está a fazer crescer o número de gémeos.

A noção de que a dieta pode desempenhar um papel nesta questão é relativamente nova. Outros estudos já tinham dado a entender que o que comemos pode afectar a produção de gémeos. Haggerty publicou um estudo já este mês que mostra que níveis mais elevados de vitamina B e de ácido fólico aumentam a probabilidade de nascimentos múltiplos em mulheres sujeitas a fertilização in vitro, talvez devido à presença da vitamina aumentar a probabilidade de dois embriões sobreviverem.

Identificar que nutrientes são mais importantes na produção de gémeos pode ajudar a controlar o aumento dos nascimentos múltiplos. Não há nada que as mulheres possam fazer quanto à sua composição genética mas "podem fazer alguma coisa em relação à sua dieta", diz Haggarty.

 

 

Saber mais:

Journal of Reproductive Medicine

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

@ simbiotica.org, 2006


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com