2006-05-09

Subject: Golfinhos têm nome próprio

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the Wild

Este boletim é mantido por simbiotica.org, uma rede simbiótica de Biologia e Conservação da Natureza

mantenha-se informado das últimas novidades e troque ideias com todos os que fazem parte desta rede!

 

Em destaque:

Golfinhos têm nome próprio

 

  Questões ou comentários para: webmaster@simbiotica.org

Dê a rede simbiotica.org a conhecer a um amigo!!

Afinal não somos os únicos animais a dar nomes a nós próprios, revelaram os investigadores que estudam os roazes-corvineiros. Estes golfinhos utilizam assobios característicos que funcionam como cartões de visita individuais, permitindo-lhes reconhecerem-se ou mesmo referirem-se a outros pelo nome.

Estás a falar comigo? Clique aqui para ouvir o nome único de um roaz-corvineiro.

Esta pesquisa revela que os roazes-corvineiros Tursiops truncatus têm todos o seu assobio personalizado, que é reconhecido pelos outros golfinhos mesmo numa forma artificial ouvida através de um altifalante. Isto sugere que os animais os reconhecem como nomes por direito próprio, em vez de identificarem os indivíduos com base apenas na qualidade do som da sua voz.

Os golfinhos também foram escutados a usar os nomes uns dos outros na sua "conversação", o que significa que podem ser capazes de chamar os seus camaradas durante as interacções sociais. As chamadas podem ser usadas para manter os laços entre os grupos na natureza, onde os indivíduos nem sempre se conseguem ver uns aos outros, ou para coordenar as suas complexas manobras e caça.

O efeito foi revelado em roazes-corvineiros que vivem em Sarasota Bay, Florida. Os assobios individuais destes golfinhos são bem conhecidos, pois têm estado envolvidos em estudos de captura e gravação desde  1975.

Os investigadores criaram versões artificiais dos assobios personalizados e tocaram-nos para outros golfinhos. Estes dirigiam-se ao altifalante muito mais vezes se o som correspondia ao assobio personalizado de um parente próximo e não de um golfinho desconhecido, relatam os investigadores na última edição da revista Proceedings of the National Academy of Sciences.

"Os assobios personalizados parecem ser, na sua maioria, usados na negociação de relações sociais", diz Vincent Janik da Universidade de St Andrews, que liderou a investigação. "Quando viajam eles conseguem ser muito silenciosos mas quanto se encontram há muito falatório."

Os assobios personalizados são apenas uma pequena parte do seu imenso vocabulário de assobios, cliques e outras formas de chamamentos, acrescenta Janik. Na natureza, os chamamentos de nomes parecem compor cerca de 50% de toda a comunicação mas num tanque, onde os golfinhos se vêm uns aos outros, desaparecem do reportório quase por completo, sendo substituídos por outro tipo de assobios cujo significado permanece enigmático.

 

Os golfinhos são famosos pelas suas capacidades de comunicação, apesar da presunção de que possuem uma linguagem plenamente formada nunca tenha sido provada. Ainda assim, eles produzem uma espantosa variedade de diferentes sons, comenta o perito em golfinhos Richard Connor da Universidade de Massachusetts, Dartmouth. 

Muitos animais, como as aves canoras e os macacos, têm sons personalizados mas estes geralmente transmitem uma mensagem, como um alerta ou o chamamento de um parceiro e não um nome. Entre esses animais, o reconhecimento dos indivíduos é geralmente baseada na qualidade da voz e não do chamamento específico.

Os golfinhos são diferentes, explica Janik. Ele suspeita que apenas os papagaios são capazes de níveis semelhantes de sofisticação.

A facilidade dos golfinhos para imitar pode mesmo significar que podem falar de acerca de outros membros do grupo na sua ausência, sugere Connor. "Se eles podem falar acerca de outros membros do grupo nas suas costas, isso seria extremamente interessante."

Esta descoberta seria uma surpresa imensa, diz Janik mas acrescenta que ainda sabemos muito pouco acerca da comunicação entre golfinhos. Alguns chamamentos altos têm sido observados em contextos que sugerem ameaças entre rivais ou convites para alimentação. Na sua maioria, no entanto, os assobios dos golfinhos e os seus constantes cliques, permanecem um puzzle fascinante.

 

 

Saber mais:

Proceedings of the National Academy of Sciences

University of St Andrews Sea Mammal Research Unit

Seis graus de separação no oceano

Mães golfinho ensinam as filhas a usar ferramentas

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

@ simbiotica.org, 2006


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com