2003-12-22

Subject: Vírus da pneumonia atípica é uma mistura

News of the Wild

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the  Wild

Este boletim é mantido pelo site Born to be Wild, para que não esqueça o seu lado selvagem ...

 

Em destaque:

Vírus da pneumonia atípica é uma mistura

 

  Questões ou comentários para: borntobewild@clix.pt

Dê o site Born to be Wild a conhecer a um amigo!!

 

O vírus da vulgarmente designada pneumonia atípica parece ser uma combinação de vírus que atacam aves e mamíferos, segundo investigadores canadianos revelaram. Estas descobertas sugerem que o síndroma respiratório agudo (SARS) surgiu da mesma forma que as variantes da gripe, quando um vírus de ave se combina com um vírus num mamífero, tomando uma forma capaz de infectar o Homem. 

SARS percorreu toda a Ásia e foi exportado para paragens tão longínquas como o Canadá, entre Novembro de 2002 e maio de 2003, matando 774 pessoas e infectando mais de 8000. 

CoronavirusOs peritos eventualmente identificaram o novo tipo de coronavírus como a causa da doença, que no essencial corresponde a uma forma especialmente grave de pneumonia. 

Este tipo de vírus causa uma grande variedade de doenças veterinárias, mas habitualmente nada mais que uma constipação no Homem. 

David Guttman, professor de genética evolutiva na Universidade de Toronto, comparou o genoma do vírus da SARS com outros coronavírus aparentados. Cerca de metade do DNA pareciam sequências de coronavírus de mamíferos, enquanto a outra metade parecia semelhante a sequências de vírus de aves. 

Um gene chave, designado spike parecia ser uma mistura de ambos os tipos de vírus. Este gene é importante para a capacidade do vírus infectar as células. Assim, esta mistura de genes de vírus de aves e mamíferos terá permitido ao gene spike iludir o sistema imunitário humano. 

O vírus da SARS foi encontrado em animais semelhantes aos guaxinins, designados civetas, em mercados de vida selvagem. É possível que as civetas tenham contraído o vírus através de uma ave, refere Guttman. isto teria criado a oportunidade para a ocorrência de uma recombinação extremamente rara, que produziu um vírus com um novo conjunto de hospedeiros potenciais. 

Este novo vírus é infeccioso para o Homem, enquanto os vírus parentais não o eram, tendo-se propagado devido às más condições de higiene e recintos fechados dos mercados de produtos selvagens no sul da China. 

A SARS não tem sido detectada desde que foi controlada em Junho, mas os agentes de saúde estão à espera do seu ressurgimento a qualquer momento. Só assim poderemos desenvolver tratamentos mais eficazes para responder a novos surtos, conclui Guttman. 

 

Outras Notícias:

Austrália toma medidas drásticas na protecção de peixe ameaçado

 

A Austrália aumentou drasticamente as medidas de protecção aos stocks pesqueiros das suas remotas águas do sul do ataque cerrado de pescadores furtivos, lançando ao mar uma embarcação com um canhão de proa de .50 mm, um grupo de abordagem de soldados armados com metralhadoras automáticas e marinheiros extra para conduzir os barcos apreendidos. 

O ministro das pescas australiano Ian Macdonald anunciou o empréstimo por parte dos serviços alfandegários de um navio quebra-gelo armado para o patrulhamento permanente das águas australianas perto da Antárctica. 

Esta abordagem dura surge após a perseguição de 21 dias em Agosto  de um navio de bandeira uruguaia, suspeito de pescar ilegalmente a altamente valorizada merluza negra Dissostichus eleginoides, também conhecido por robalo de profundidade ou bacalhau do Árctico, através das águas da Antárctica. 

O navio uruguaio Viarsa foi finalmente capturado ao largo da África do Sul. A perseguição dramática através de tempestuosas vagas de 10 metros e icebergues custou à Austrália €3,7 milhões. 

Esta decisão foi tomada após fortes pressões da industria pesqueira local, que perdeu mais de 300 milhões de dólares australianos entre 1996 e 2001 em peixe capturado por pescadores ilegais. 

Esta perseguição mediática também trouxe para a ribalta a situação dramática do cada vez mais raro "ouro branco", como é apelidada a merluza negra pelos pescadores. O peixe é muito apreciado nos mercados asiáticos e nos Estados Unidos mas pode estar comercialmente extinto em 2007. A legislação comunitária, por exemplo, já proíbe a pesca deste peixe.

O governo australiano aumentou as multas para os pescadores ilegais para 835000 dólares australianos, bem como a obrigação de pagar os custos da perseguição. 

 

 

Saber mais: 

Severe Acute Respiratory Syndrome (SARS)

Um bacalhau com problemas

Patagonian Toothfish ecology and conservation

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja receber o boletim Born to be Wild clique aqui!!

Respeitar os animais é respeitarmo-nos a nós próprios!

@ Born to be Wild, 2003


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com