2006-02-01

Subject: Peixes mais pequenos do mundo competem pela honra

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the Wild

Este boletim é mantido por simbiotica.org, uma rede simbiótica de Biologia e Conservação da Natureza

mantenha-se informado das últimas novidades e troque ideias com todos os que fazem parte desta rede!

 

Em destaque:

Peixes mais pequenos do mundo competem pela honra

 

  Questões ou comentários para: webmaster@simbiotica.org

Dê a rede simbiotica.org a conhecer a um amigo!!

Quando é que o mais pequeno é mesmo o mais pequeno? Parece que quando se fala de peixes, a resposta não é muito certa.

Na semana passada surgiu o anúncio de que tinha sido descoberto o menor peixe e vertebrado do mundo, com apenas 7,9 mm. O pequeno animal, uma fêmea do género Paedocypris, foi descoberta nos pântanos de Sumatra, mas minúscula como parece ser, tem a competição de dois outros peixes descobertos nos últimos dois anos, que alegam ser ainda menores.

Em 2004, a revista Records of the Australian Museum descreveu um macho de Schindleria brevipinguis com 7 mm, que viva na zona da Grande Barreira de Recifes australiana.

Também um macho de Photocorynus spiniceps descoberto nas Filipinas não tinha mais de 6,2 mm da ponta do focinho à ponta da cauda. 

Este peixe foi descrito na revista Ichthyological Research em Setembro último e passa a vida fundido à sua parceira consideravelmente maior, em algumas espécies até meio milhão de vezes maiores em peso.

Enquanto a fêmea é responsável pela natação e pela alimentação, o peixe macho com os seus enormes, relativamente falando, testículos, está encarregado da ajuda à reprodução. Por este motivo, o macho de P. spiniceps é designado um parasita sexual.

Ted Pietsch, da Universidade de Washington, que descreveu o peixe de 6,2 mm, acredita que este espécime é o verdadeiro campeão dos pequenotes, mas Ralf Britz, perito em peixes do Natural History Museum de Londres e autor da descrição do Paedocypris 7,9 mm explica que apenas não mencionou o outro peixe porque não tinha dele conhecimento quando organizou o seu artigo.

"Não tínhamos a menor ideia de que existia esta publicação", explica Britz. Segundo ele, toda esta questão levantou algumas dúvidas interessantes acerca da forma como se estabelece o tamanho destes pequenos peixes. Nem sempre é claro, diz ele, quando é que se trata de um espécime adulto ou de um juvenil.

"É mais fácil verificar quando uma fêmea é sexualmente madura do que um macho. Para um macho temos que fazer um corte histológico para verificar se as gónadas estão maduras. Mesmo se fizermos uma dissecação e olharmos para os testículos, não conseguimos dizer se estão maduros ou não, só com os cortes histológicos."

 

Enquanto a maturidade dos peixes do primeiro estudo não foi demonstrada desta forma, os segundos tiveram essa confirmação de que se tratava de exemplares adultos. 

Pietsch, investigador de peixes, concorda que existem dificuldades na descrição do tamanho dos animais. "Podemos usar o peso, o volume ou o comprimento para descrever a pequenez de um animal", diz ele. "O meu peixe não deve o menor relativamente ao volume ou ao peso, comparado com o Schindleria, mas em termos de comprimento deve ser."

Quando questionado quanto à dificuldade de medição de um peixe que está fixo à zona traseira de outro, ele comenta: "Pode-se ver perfeitamente onde a ponta do focinho termina nestes machos minúsculos, são tão pequenos que são praticamente transparentes."

A. paedocypris "Nem sei dizer quantas vezes medi os animais mas a medida de 6,2 mm é bastante conservadora. Apesar destes peixes viverem uma existência invulgar, ainda são peixes e ainda são vertebrados. A busca pelo menor vertebrado tem decorrido desde há muito e estes últimos 3 exemplos são apenas a entrada mais recente na discussão."

E enquanto a busca para encontrar o menor vertebrado do mundo continua, Britz não tem dúvida quanto ao valor para a ciência de investigar estes animais diminutos.

"No final do dia, estes peixes são muito interessantes e muito invulgares, precisam de ser estudados em mais detalhe", diz ele. "A questão sobre se são os menores do mundo não é tanto uma questão científica mas mais uma questão popular."

 

 

Saber mais:

Australian Museum Online

Natural History Museum

University of Washington

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

@ simbiotica.org, 2006


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com