2005-12-12

Subject: O segredo da velhice muscular

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the Wild

Este boletim é mantido por simbiotica.org, uma rede simbiótica de Biologia e Conservação da Natureza

mantenha-se informado das últimas novidades e troque ideias com todos os que fazem parte desta rede!

 

Em destaque:

O segredo da velhice muscular

 

  Questões ou comentários para: webmaster@simbiotica.org

Dê a rede simbiotica.org a conhecer a um amigo!!

Os cientistas acreditam que descobriram uma forma de garantir aos mais velhos a manutenção da sua massa muscular.

Os músculos estão constantemente a ser construídos e destruídos, o que funciona de forma equilibrada nos adultos jovens. Mas com o avançar da idade, o processo de degradação muscular é mais acelerado que o de construção.

No entanto, investigadores franceses, escrevendo na revista científica Journal of Physiology, dizem que a a adição do aminoácido leucina à dieta dos mais velhos pode ajudá-los a manter a massa muscular.

Peritos ingleses concordam, acrescentando que a melhor forma de aumentar os níveis de leucina é comendo carne.

Uma vez alcançados os 40 anos de idade, os adultos começam a perder entre 0,5 e 2% da sua massa muscular por ano, pelo que a equipa do Centro de Investigação sobre Nutrição Humana de Auvergne, em Clermont-Ferrand, França, resolveu analisar o comportamento das proteínas nos músculos.

Tal como em todos os tecidos de mamíferos, as proteínas são construídas a partir de aminoácidos e digeridas por enzimas. 

Imediatamente após uma refeição, a taxa de síntese duplica, estimulada pela chegada de uma grande quantidade de aminoácidos. Pelo contrário, a taxa de degradação é máxima entre refeições. A diferença entre estas duas taxas determina a quantidade de proteínas que permanece no músculo.

Mas em animais mais velhos e, acredita-se, também em humanos, o estímulo da chegada de aminoácidos para a síntese de novas proteínas é menos eficaz e o processo abranda.

No entanto, a taxa de degradação das proteínas continua igual, deixando os animais mais velhos com menos proteínas que os seus companheiros mais novos.

Os investigadores compararam a degradação de proteínas em ratos jovens (com oito meses de idade) e em ratos velhos (com 22 meses de idade), e descobriram que o abrandamento da degradação que normalmente se segue a uma refeição não acontece nos animais mais velhos, logo há um excesso de degradação.

 

Mas quando os cientistas elevaram os níveis de um aminoácido em especial, a leucina, o balanço entre a síntese e a degradação foi restabelecido.

A equipa, liderada por Didier Attaix, sugere que o desequilíbrio no processamento das proteínas que surge associado à velhice resulta de defeitos na maquinaria complexa que degrada as proteínas musculares, e que o suplemento de leucina pode restaurar totalmente a função correcta.

Attaix refere: "Prevenir a perda de músculo é uma questão crucial tanto a nível socio-económico como de saúde pública, que poderemos combater com uma dieta rica em leucina."

Michael Rennie, da Escola de Medicina da Universidade de Nottingham, considera, ainda assim, que é necessária mais investigação sobre o tema, independentemente dos mais velhos poderem alterar a sua dieta desde já como forma de ajudar a manter massa muscular.

"A leucina é muito abundante na carne, logo faz sentido em termos de síntese proteica, comer mais carne. À medida que as pessoas envelhecem têm tendência para comer menos carne mas deviam manter o seu nível de ingestão."

 

 

Saber mais:

Journal of Physiology

University of Nottingham Medical School

Tabaco envelhece o DNA

Alguns de nós vão viver até aos 150 anos

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

@ simbiotica.org, 2005


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com