2005-12-06

Subject: Gases venenosos responsáveis pela maior extinção

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the Wild

Este boletim é mantido por simbiotica.org, uma rede simbiótica de Biologia e Conservação da Natureza

mantenha-se informado das últimas novidades e troque ideias com todos os que fazem parte desta rede!

 

Em destaque:

Gases venenosos responsáveis pela maior extinção

 

  Questões ou comentários para: webmaster@simbiotica.org

Dê a rede simbiotica.org a conhecer a um amigo!!

Vulcão Kilauea, Hawaii 1995   Foto @ US Geological SurveyA maior extinção em massa da história da Terra foi provavelmente causada por gases vulcânicos venenosos, de acordo com um estudo publicado na revista científica Geology.

Esta "grande mortandade" de há 250 milhões de anos levou ao desaparecimento de mais de dois terços das famílias de répteis e anfíbios, mas também facilitou a ascensão dos dinossauros, que dominaram a Terra durante os 185 milhões de anos seguintes.

As novas evidências surgiram da análise de moléculas preservadas nas rochas cuja consolidação decorreu no período da extinção. Outras causas sugeridas para esta extinção já incluíram a colisão de um asteróide com o nosso planeta ou uma libertação maciça de metano do fundo do mar.

Os cientistas já sabem que a extinção do final do Pérmico coincidiu com uma importante erupção vulcânica. Este acontecimento produziu os maiores mantos de lava basáltica de sempre, cobrindo vastas zonas do que actualmente é a Sibéria. Estes mantos de lava formaram as Armadilhas Siberianas, uma província de de rochas ígneas com centro na cidade de Tura.

Agora, a análise de uma conjunto único de moléculas encontradas nas rochas dos Montes Dolomitas de Itália lançam luz sobre o real impacto desta erupção.

As moléculas são vestígios de polissacáridos, macromoléculas glicídicas comunmente encontradas em plantas e no solo. No entanto, estas rochas são formadas por sedimentos marinhos!

A química das rochas revela que as moléculas glicídicas se formaram em terra seca, apoiando a teoria de que uma erosão do solo em grande escala as arrastou para o mar.

 

Os autores do artigo publicado na revista Geology acreditam que gases vulcânicos dessa erupção teriam sido responsáveis pela destruição da camada protectora de ozono e pela acidificação das terras e do mar, matando grande parte da vegetação enraizada.

Este processo prejudicou a retenção do solo, permitindo que fosse arrastado pelos agentes erosivos para os oceanos vizinhos. Os materiais do solo nos oceanos teriam bloqueado a passagem da luz solar e absorvido o oxigénio da água. 

Trilobites foram um dos grupos que se extinguiamA análise da química das rochas sugere que após a "crise do solo", como foi baptizada, em terra, os ecossistemas marinhos sucumbiram ao stress das alterações ambientais. As formas de vida oceânicas entraram em colapso, completando a catástrofe global.

"A causa da extinção do final do Pérmico tem sido altamente controversa. Nós demonstrámos que os ecossistemas terrestres foram os primeiros a sofrer", diz o co-autor do estudo Mark Sephton, do Imperial College de Londres. "A natureza transcontinental do acontecimento implica que foi causada por algo na atmosfera. Os dados químicos únicos indicam que algo rápido e catastrófico aconteceu em terra."

O estudo agora conhecido foi desenvolvido por uma equipa internacional de cientistas oriundos do Reino Unido, Holanda e Estados Unidos. 

 

 

Saber mais:

Geology

Mapa das Armadilhas Basálticas Siberianas

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

@ simbiotica.org, 2005


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com