2005-11-13

Subject: Godzilla surpreende caçadores de fósseis

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the Wild

Este boletim é mantido por simbiotica.org, uma rede simbiótica de Biologia e Conservação da Natureza

mantenha-se informado das últimas novidades e troque ideias com todos os que fazem parte desta rede!

 

Em destaque:

Godzilla surpreende caçadores de fósseis

 

  Questões ou comentários para: webmaster@simbiotica.org

Dê a rede simbiotica.org a conhecer a um amigo!!

Os crocodilos são, de modo geral, facilmente reconhecíveis pelo seu longo focinho cheio de dentes afiados mas caçadores de fósseis da Patagónia descobriram um que tem um focinho curto e arredondado, com relativamente poucos dentes.

Os peritos dizem que esta forma estranha de focinho significará que o animal tinha uma dieta diferente da preferida pelos restantes tipos conhecidos de crocodilos, tanto do passado como do presente, e que consiste basicamente em peixe.

Um crânio surpreendentemente curto e dois maxilares inferiores atarracados foram descobertos na Patagónia pela paleontóloga Zulma Gasparini, do Museo de La Plata na Argentina. 

As características do crânio revelaram que os novos fósseis pertencem a um Dakosaurus andiniensis, um crocodilo marinho conhecido através de apenas alguns fragmentos de ossos descobertos na Argentina. Esses fragmentos mostram que o D. andiniensis, que ameaçava as águas profundas do oceano Pacífico há cerca de 160 milhões de anos, tinha uma cabeça em forma de bala que surpreendeu os peritos.

"Outros paleontólogos peritos em vertebrados já nos vieram perguntar se este animal é realmente um crocodilo", diz Diego Pol, da Universidade Estatal do Ohio, um dos dois co-autores do estudo agora publicado online pela revista Science.

Apesar de alguns crocodilos terrestres já extintos serem conhecidos pelas suas cabeças curtas, até agora todas as formas marinhas de crocodilos tinham focinhos compridos. O crânio também apresenta um número reduzido de grandes dentes serrilhados, em vez da quantidade habitual de muitos dentes aguçados.

 

Os paleontólogos pensam que, tal como os crocodilos modernos, as formas marinhas extintas moviam as suas longas e pouco profundas mandíbulas de um lado para o outro para capturar as suas presas escorregadias, como peixe e lulas. A cabeça arredondada do D. andiniensis não deveria ser suficientemente hidrodinâmica para conseguir realizar estes movimentos com sucesso.

@ Robert Clark, Museo de La Plata, Argentina"A grande questão que se coloca é: afinal o que é que eles comiam?", diz Eric Buffetaut, paleontólogo perito em vertebrados do Centro Nacional de Investigação Científica de Paris. 

Ele considera que os grandes dentes serrilhados do D. andiniensis seriam mais adequados a cortar grandes pedaços de presas de grandes dimensões do que para agarrar peixes inteiros.

"Isto sugere que estes animais podem ter-se alimentado de outros répteis marinhos ou peixes de grandes dimensões", diz ele, "mas a única forma de ter a certeza seria encontrar um fóssil completo que ainda apresentasse o conteúdo do estômago reconhecível." 

 

 

Saber mais:

Museo de La Plata

Diego Pol

Sciencexpress

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

@ simbiotica.org, 2005


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com