2005-11-12

Subject: Água responsável pela subida das temperaturas europeias

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the Wild

Este boletim é mantido por simbiotica.org, uma rede simbiótica de Biologia e Conservação da Natureza

mantenha-se informado das últimas novidades e troque ideias com todos os que fazem parte desta rede!

 

Em destaque:

Água responsável pela subida das temperaturas europeias

 

  Questões ou comentários para: webmaster@simbiotica.org

Dê a rede simbiotica.org a conhecer a um amigo!!

O vapor de água, e não o dióxido de carbono, na atmosfera é a principal causa por trás do aquecimento do clima na Europa, revela um novo estudo agora conhecido. 

Os cientistas consideram que as temperaturas elevadas causadas pelos gases de efeito de estufa estão a aumentar a humidade, o que, por sua vez, amplifica a subida de temperatura no velho continente. Este é potencialmente um mecanismo de feed-back positivo, que pode aumentar o impacto de gases de efeito de estufa, como o dióxido de carbono.

A investigação foi publicada na revista científica Geophysical Research Letters. 

Os cientistas envolvidos utilizaram estações de investigação e meteorológicas localizadas através de toda a Europa para medir a temperatura, humidade e radiação de longo comprimento de onda, que desempenha papel crucial no efeito de estufa.

"Observamos que entre 1995 e 2002, a quantidade de radiação de longo comprimento de onda que atingia a Terra na zona da Europa tinha aumentado significativamente, enquanto que a radiação solar não", diz o líder do estudo Rolf Philipona, do World Radiation Center em Davos, Suíça.

A radiação de longo comprimento de onda resulta de moléculas de gases como o dióxido de carbono, o metano e o vapor de água, que absorvem a radiação solar depois que esta atingiu a superfície do planeta e foi reflectida de volta para a atmosfera.

"Questionámo-nos se este efeito resultava simplesmente do facto de a temperatura estar a aumentar à superfície, assim teríamos mais radiação a subir de volta para a atmosfera e mais a regressar à superfície", explica Philipona. "Mas tivemos isto em consideração, bem como o impacto de uma camada extra de nuvens, e não detectámos uma subida."

Deste modo, os investigadores calcularam que este aumento é devido em parte a uma maior concentração de gases como o dióxido de carbono, frequentemente descritos como causando um "feito de estufa com origem humana". Mas o aumento do vapor de água parece ter um efeito maior, sendo responsável por cerca de 70% da subida de temperatura observada.

Nem todas as regiões da Europa são afectadas da mesma forma.

Entre 1995 e 2002, os países do leste parecem ter aquecido a uma taxa equivalente a cerca de 2ºC por década, consideravelmente mais rápido que os seus parceiros ocidentais.

De acordo com o novo estudo, esse facto pode estar relacionado com as diferenças de humidade. Em traços gerais, a humidade subiu rapidamente no leste mas não no ocidente, onde a evaporação pode estar limitada pela secura da península Ibérica.

Apesar das crescentes concentrações de dióxido de carbono, metano, óxidos de azoto e outros gases estarem quase de certeza a condicionar as subidas globais de temperatura observadas nas últimas décadas, o efeito de estufa natural, sem o qual o planeta seria consideravelmente mais frio, deve-se largamente ao vapor de água atmosférico.

 

Dado que as actividades humanas têm um impacto muito reduzido na concentração de vapor de água, este gás raramente é mencionado nas discussões sobre o efeito de estufa no contexto actual.

No entanto, há décadas que os investigadores do clima sabem que os mecanismos que envolvem o vapor de água podem amplificar as subidas de temperatura, tendo, por isso, tentado obter um modelo funcional desses efeitos em simulações computadorizadas do clima.

Os investigadores cépticos em relação às projecções sobre as alterações climáticas induzidas pelo Homem baseiam as suas críticas, em parte, no que consideram ser simulações com falhas sobre vapor de água e nuvens.

Então, irá esta descoberta forçar a uma reavaliação dos modelos climáticos actuais?

William Ingram, da Universidade de Oxford, acredita que não. "Este estudo muito cuidadoso confirma que este aspecto do sistema climático se esta a comportar, de modo geral, como previsto."

Mas Rolf Philipona acredita que podem existir implicações regionais que ainda não foram devidamente apreciadas. 

"Existirão certas zonas do mundo afectadas mais severamente que outras, talvez mesmo uma desertificação de certos locais. Assistiríamos ao vapor de água a subir para a atmosfera em locais onde existe quantidade suficiente de água no solo."

Um aumento da concentração de vapor de água é apenas um dos mecanismos de feed-back que podem alterar ou amplificar o processo do aquecimento global induzido pelo Homem.

Outros mecanismos incluem o degelo, que provoca uma maior absorção de luz solar, a conversão de zonas florestais, que passam de sumidouros de dióxido de carbono a produtores, ou a libertação de metano pela permafrost.

Estudos recentes indicam que os primeiros dois destes mecanismos podem já estar em acção. 

 

 

Saber mais:

World Radiation Center

University of Oxford atmospheric physics dept

Geophysical Research Letters

Aquecimento na Sibéria causa alarme

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

@ simbiotica.org, 2005


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com