2005-10-31

Subject: Novo tratamento contra o HIV parece prometedor

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the Wild

Este boletim é mantido por simbiotica.org, uma rede simbiótica de Biologia e Conservação da Natureza

mantenha-se informado das últimas novidades e troque ideias com todos os que fazem parte desta rede!

 

Em destaque:

Novo tratamento contra o HIV parece prometedor

 

  Questões ou comentários para: webmaster@simbiotica.org

Dê a rede simbiotica.org a conhecer a um amigo!!

Um gel de tripla acção mostrou que consegue restringir a propagação de vírus semelhantes ao HIV em macacos, criando esperanças de que possa tornar-se numa nova arma na luta contra a SIDA.

Ainda não estado em humanos, o gel seria aplicado na vagina antes das relações sexuais, permitindo às mulheres um protecção mais discreta contra o HIV. O produto parece ter o potencial de abrandar a propagação da SIDA e salvar milhões de vidas.

O tratamento está a ser desenvolvido pelas companhias farmacêuticas Bristol-Myers Squibb, com sede em Nova Iorque, e Merck, com sede em Whitehouse Station, Nova Jérsia, e combina três compostos, cada um dos quais com actuação diferente na prevenção da infecção pelo vírus, pensando-se que seja mais potente que qualquer outro tratamento em fase de testes.

A abordagem tripla é semelhante à ideia de usar uma combinação de medicamentos anti-virais para tratar os doentes HIV-positivos, salienta Jim Turpin, microbiólogo do National Institutes of Health em Bethesda, Maryland.

Os investigadores do Centro Nacional de Investigação em Primatas Tulane de Covington, Louisiana, testaram os três componentes, tanto separadamente como em combinação num conjunto de géis, num grupo de 51 macacos fêmea do género Macaca.

Após a aplicação do gel, aplicaram aos macacos uma dose elevada do vírus da imunodeficiência símio-humana (SHIV), uma versão híbrida do HIV e do SIV que se assemelha muito à estirpe que infecta o Homem.

Em média, 75% dos macacos que receberam apenas um dos agentes protectores ficaram protegidos, enquanto que os três macacos que receberam a combinação dos três nunca foram infectados.

Nenhum microbicida anti-HIV foi aprovado, até à data, para utilização generalizada no Homem mas cinco géis de acção única estão em fase de testes na África do Sul. Os resultados destes estudos não devem ser conhecidos antes de 2007.

Os testes destes compostos mostraram um sucesso modesto em macacos, diz Sharon Hillier, que estuda doenças sexualmente transmissíveis na Universidade de Pittsburgh em Filadélfia. Mas os testes em macacos anteriormente realizados usaram a estirpe de HIV que infecta as células de uma forma diferente da que causa a doença no Homem através do sexo. Por este motivo, os resultados podem não ser directamente comparáveis.

 

O único teste com microbicida completo em humanos teve resultados desastrosos, pois as mulheres que testaram o monoxinol-9 tornaram-se mais susceptíveis ao HIV devido ao gel, que era basicamente um detergente, danificar o tecido vaginal. O mesmo composto é usado como espermicida em preservativos mas são necessárias doses mais elevadas para combater o HIV. "Tornou-se tóxico na mesma concentração em que matava o vírus", diz Hillier.

O gel de tripla acção tem uma abordagem diferente. Utiliza compostos que bloqueiam a entrada do vírus nas células-alvo actuando sobre uma vasta gama de proteínas, em vez de tentar eliminar completamente o vírus. Isto significa que não há necessidade de usar detergentes que causam inflamação vaginal, dizem os investigadores, liderados por John Moore da Universidade de Cornell em Nova Iorque.

O gel composto potencialmente também pode ser aplicado várias horas antes do acto sexual. No estudo com macacos, o gel de tripla acção ainda mantinha 50% da actividade seis horas após a aplicação. Os géis que estão em fase de testes em humanos têm que ser aplicados imediatamente antes do acto sexual.

Este facto tornará o gel de tripla acção mais fácil de usar em situações reais, considera Charlotte Watts, perita em políticas de saúde da London School of Hygiene and Tropical Medicine. Utilizar um tratamento que pode ser aplicado antecipadamente pode ajudar muitas mulheres, particularmente nos países em vias de desenvolvimento, cujos parceiros não colaboram com a utilização de preservativos e outras medidas do tipo.

Em última análise, diz Watts, quanto mais hipóteses de protecção estiverem disponíveis melhor. "Precisamos de avançar para a existência de uma gama de produtos que seja adequada para todos." Mas com o custo médio do desenvolvimento de novos tratamentos e a sua colocação no mercado a orçar as dezenas de milhões de dólares, os progresso é lento, acrescenta ela. 

 

 

Saber mais:

International Partnerships for Microbicides

Alliance for Microbicide Development

Microbicide Development Programme

UNAIDS

Leite materno ajuda a bloquear o HIV

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

@ simbiotica.org, 2005


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com