2005-10-10

Subject: Serão os linces europeus capazes de recuperar?

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the Wild

Este boletim é mantido por simbiotica.org, uma rede simbiótica de Biologia e Conservação da Natureza

mantenha-se informado das últimas novidades e troque ideias com todos os que fazem parte desta rede!

 

Em destaque:

Serão os linces europeus capazes de recuperar?

 

  Questões ou comentários para: webmaster@simbiotica.org

Dê a rede simbiotica.org a conhecer a um amigo!!

Os conservacionistas estão a apelar à reintrodução do lince no norte do Reino Unido, após se ter descoberto que o Homem foi o responsável pela sua perda durante o período medieval. 

Estas evidências estão a alimentar um debate sobre o Homem tem o dever de recolocar grandes predadores em áreas onde estes já viveram, se estiver implicado no declínio ou desaparecimento.

Pensava-se que o lince da Eurásia Lynx lynx tinha desaparecida das Ilhas Britânicas há milhares de anos, quando as alterações climáticas naturais levaram a que a maioria das suas florestas se transformassem em charnecas pantanosas. 

Mas afinal, a datação com carbono-14 de ossos encontrados em cavernas do Yorkshire, no norte de Inglaterra, sugerem que a espécie ainda aí existia há 1500 anos ... e que desde então o Homem os dizimou totalmente.

Isto dá uma perspectiva totalmente nova ao seu estatuto de conservação, argumenta David Hetherington, da Universidade de Aberdeen, que publicou a sua descoberta na última edição da revista Journal of Quaternary Science

A directiva Habitats da União Europeia exige dos estados-membros que se considere a reintrodução de espécies que tenham sido exterminadas pelo Homem, desde que as condições sejam adequadas ao seu regresso.

É este o caso no norte das Ilhas Britânicas, particularmente na Escócia, diz Hetherington. "O lince podia ser um poderoso aliado dos produtores florestais", salienta ele. "Eles atacam muitas das espécies consideradas uma praga, como as raposas, e podem muito bem tornar-se uma verdadeira galinha dos ovos de ouro para a industria de turismo da natureza."

Hetherington e os seus colegas acreditam que o lince, ainda abundante na Sibéria mas cada vez mais raro na Europa, foi forçado para fora das Ilhas Britânicas no início do período medieval, quando o Homem abateu as florestas. Isto teve grande impacto no efectivo de cervídeos, a presa favorita do lince, para além de os deixar sem local para viver e caçar. "O lince é um predador de emboscada, precisa de protecção vegetal."

A produção florestal em grande escala na Escócia, combinada com a alteração da atitude perante a conservação das espécies, pode estar a preparar o palco para o regresso, espera Hetherington. Os felinos com 20 Kg de peso são tímidos e esquivos, não representando qualquer perigo para o Homem ou para o gado, diz ele.

 

Os últimos 35 anos têm assistido a numerosos esforços para reforçar o efectivo de linces na Europa, e muitas outras espécies foram reintroduzidas com sucesso no continente.

Há mais de 10 anos, um pequeno grupo de ursos castanhos Ursus arctos foi reintroduzido nos Alpes austríacos e estão a fazer progressos muito encorajadores. Aves como abutre de barba Gypaetus barbatus e o milhafre-real Milvus milvus também foram, com sucesso, reintroduzidos nos seus antigos habitats.

Mas podem existir problemas mais urgentes em conservação, diz Gerald Dick, da WWF de Viena. Ele argumenta que a prioridade deve ser dada à vigilância das populações ameaçadas.

Uma rede de vigilância da vida selvagem de toda a Europa, planeada para 2007, deve ser uma grande ajuda, acrescenta ele. Uma das espécies que estará na ribalta será a espécie mais próxima do lince da Eurásia, o lince ibérico, perigosamente perto da extinção.

Qualquer tipo de reintrodução tem que ser pensada cuidadosamente, alerta Dick. "Quando decidimos faze-lo, é necessária grande preparação. Temos que garantir que faz sentido, do ponto de vista científico, avançar com o projecto e é preciso muito dinheiro e muito tempo."

Ainda assim, uma reintrodução cuidadosamente pensada pode ajudar a espécie a recuperar parte do seu antigo território, diz Andrew McMullin, porta-voz da IUCN, uma organização que já publicou um conjunto de directrizes para projectos deste tipo. "Podemos colocar animais em locais onde levariam centenas de anos a voltar de outra forma", diz ele.

 

 

Saber mais:

Directiva Habitats da U.E.

World Wildlife Fund

Rara cria de lince ibérico morre em luta

Programa de reintrodução de linces americanos é um sucesso

Lince Ibérico condenado?

Lince ibérico em risco eminente

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

@ simbiotica.org, 2005


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com