2005-08-19

Subject: Genes texanos salvam pumas da Flórida a extinção

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the Wild

Este boletim é mantido por simbiotica.org, uma rede simbiótica de Biologia e Conservação da Natureza

mantenha-se informado das últimas novidades e troque ideias com todos os que fazem parte desta rede!

 

Em destaque:

Genes texanos salvam pumas da Flórida a extinção

 

  Questões ou comentários para: webmaster@simbiotica.org

Dê a rede simbiotica.org a conhecer a um amigo!!

A introdução de oito pumas fêmea oriundos do Texas numa população isolada da Flórida pode ter salvo estes animais da extinção e aumentado a saúde genética, dizem os cientistas.

O sucesso do controverso esforço de reprodução veio dar consistência à teoria de que a mistura de populações distintas é boa para a sobrevivência das espécies.

As autoridades estatais e federais decidiram introduzir os pumas texanos em 1995, pois parecia a única forma de salvar a subespécie da Flórida Puma concolor coryi

A população da Flórida estava reduzida ao que se estimava serem apenas 30 animais na altura e era de tal maneira consanguínea que a maioria dos animais eram directamente aparentados entre si. Esta situação tinha levado ao surgimento de problemas genéticos, como baixa contagem de espermatozóides e testículos mal desenvolvidos, o que, por sua vez, levava a um baixo sucesso reprodutor.

A introdução de animais da subespécie texana P. concolor stanleyana melhorou fortemente a situação, de acordo com um estudo a ser publicado na revista Animal Conservation em Janeiro de 2006.

Cinco das fêmeas, também conhecidas localmente por jaguares ou panteras, importadas do Texas já se reproduziram com os pumas da Flórida e estes animais híbridos tinham uma probabilidade de sobrevivência mais de três vezes superior à dos puros da Flórida.

Os pumas híbridos também tinham menos anormalidades genéticas e foram observados mais frequentemente para sul do habitual terreno de caça dos pumas. A população já é composta por 87 indivíduos saudáveis, diz Stuart Pimm, da Universidade de Duke na Carolina do Norte e principal autor do estudo.

"Penso que esta situação se vai tornar numa bandeira para a importância da interferência genética na gestão das espécies", diz Paul Beier, biólogo conservacionista e perito em pumas da Universidade do Norte do Arizona. "É a história mais importante que temos até agora."

A introdução dos pumas do Texas foi muito controversa, diz Pimm, em parte porque os investigadores pensavam que resultaria no desaparecimento da população "pura" da Flórida. 

 

Desde 1995, no entanto, os investigadores compreenderam que as duas populações são mais semelhantes do ponto de vista genético do que se pensava originalmente. O geneticista da conservação Jonathan Ballou, do National Zoological Park em Washington DC refere mesmo que um estudo recente considera que as duas populações pertencem à mesma subespécie.

Também havia preocupações sobre se a importação de novos genes poderia conduzir a mais problemas reprodutores para os descendentes híbridos. Estudos prévios já mostraram que isto pode muito bem acontecer quando se misturam subespécies de plantas ou insectos, por exemplo.

O próprio Pimm estava céptico ao princípio. Havia apenas uma mão cheia de histórias de sucesso que mostravam que o salvamento genético de populações pode funcionar, diz ele, e nenhuma delas com mamíferos.

Pimm considera que a melhoria da taxa de sobrevivência dos híbridos se deve à introdução de novos genes na população mas outros discordam. David Maehr, perito em pumas da Universidade do Kentucky em Lexington, considera que a melhoria da sobrevivência dos híbridos ainda pode ser apenas devida a razões geográficas e não genéticas. A maioria dos híbridos podem ser encontrados mais a sul que os pumas puros, salienta ele, onde as condições podem ser diferentes.

Seja qual for a razão, a população de pumas irá estar estável durante uns tempos, diz Pimm. Mas pode vir a ser necessário introduzir novos genes daqui a umas décadas, para evitar novos episódios de consanguinidade.

Ele acrescenta que este tipo de salvamento genético pode ser uma valiosa ferramenta para muitos dos mamíferos de grande porte que enfrentam o perigo de extinção. "De certo modo, é disso que se trata", diz Pimm. "É acerca de leões, tigres e ursos que vivem actualmente em populações muito menores do que estavam habituados."

 

 

Saber mais:

Dados sobre jaguares da Flórida questionados

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

@ simbiotica.org, 2005


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com