2005-08-16

Subject: Comércio electrónico ameaça espécies raras

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the Wild

Este boletim é mantido por simbiotica.org, uma rede simbiótica de Biologia e Conservação da Natureza

mantenha-se informado das últimas novidades e troque ideias com todos os que fazem parte desta rede!

 

Em destaque:

Comércio electrónico ameaça espécies raras

 

  Questões ou comentários para: webmaster@simbiotica.org

Dê a rede simbiotica.org a conhecer a um amigo!!

O comércio ilegal de produtos animais pela Internet está a conduzir as espécies mais ameaçadas do mundo à extinção, alertam os conservacionistas. O International Fund for Animal Welfare (IFAW) descobriu 9000 animais vivos ou produtos derivados à venda em apenas uma semana, em sites como a eBay.

Spider monkey in baby clothes - pic provided by IFAW
Este macaco-aranha vestido com roupas de bebé estava à venda na Internet.

A IFAW alega que muitos dos comerciantes estão a tirar partido do anonimato que a Internet fornece, pelo que está a apelar aos governos para que actuem com urgência.

Durante a investigação de três meses, a IFAW descobriu algumas das espécies mais ameaçadas à venda online, quase todas comercializadas de forma ilegal, incluindo um gorila vivo è venda em Londres e um tigre da Sibéria e quatro chimpanzés bebé à venda em sites americanos.

Partes de animais incluíam carapaças de tartarugas marinhas, xailes shahtoosh feitos com a lã do antílope tibetano e espécimes empalhados de leões e falcões peregrinos, todos espécies ameaçadas e protegidas legalmente. Artigos de marfim e medicamentos tradicionais chineses contendo partes de tigres e rinocerontes ameaçados são comuns.

O relatório, intitulado Caught in the Web: Wildlife Trade on the Internet, refere que muitos animais são alvo de caçadores furtivos para satisfazer as encomendas dos consumidores ricos em países ocidentais ou asiáticos.

A directora do gabinete inglês da IFAW Phyllis Campbell-McRae diz que comerciantes sem escrúpulos e associações criminosas sofisticadas tiram partido do anonimato da Internet.

"O resultado é um cyber-mercado negro onde o futuro dos animais mais raros do mundo está a ser vendido ao desbarato. Esta situação tem que ser eliminada imediatamente pelos governos e donos dos sites comerciais."

Dos 9000 animais e partes de animais encontrados à venda só na primeira semana do estudo, 70% eram espécies protegidas pelas leis internacionais. A IFAW pretende que os governos garantam que as proibições são aplicadas e os infractores punidos.

William Dutton, director do Oxford Internet Institute, refere: "Existem leis que impedem o uso ilegal de qualquer meio de comunicação, mas os governos e as agências policiais têm que comunicar entre si para lidar com actividades que atravessam o globo."

 

Os animais ameaçados de extinção são protegidos pela lei internacional através da Convenção Internacional sobre o Comércio de de Espécies Ameaçadas (CITES), mas não existem recursos suficientes para a aplicar, refere ainda o relatório.

Picture of a girl petting a tiger appeared on website - pic courtesy of IFAW
A IFAW encontrou, logo na primeira semana de investigação, um site que vendia um tigre com duas semanas de idade por $1500.

O ministro inglês que tutela a biodiversidade, Jim Knight, comentou: "A Unidade de Investigação Nacional contra o Crime contra a Vida Selvagem está a trabalhar de perto com os fornecedores de serviços de Internet para aumentar o controlo sobre o comércio e recolher dados sobre este tipo de crime. Desde o mês passado que os prevaricadores enfrentam até cinco anos de prisão ou uma multa ilimitada, se forem culpados deste tipo de crime."

Os donos dos websites estão a ser pressionados a permitir que os utilizadores possam alertar para actividades suspeitas e para trabalhar de forma mais próxima com os governos e as agências da lei.

Um porta-voz do site eBay disse que a sua política relativamente aos animais vai para além da lei, proibindo a venda de espécies nativas e ameaçadas, e está a trabalhar com a IFAW para garantir que o site permanece livre de artigos ilegais.

"Se formos informados de qualquer artigo que quebre esta política, terminaremos imediatamente essa conta e poderemos, se apropriado, encaminhar a situação para a agência policial adequada para acção criminal. Recomendamos veementemente todos os nossos utilizadores a denunciar a venda de artigos ilegais ao nosso serviço de cliente."

 

 

Saber mais:

International Fund for Animal Welfare

Marfim ilegal em saldo em África

Equador atingido pelo comércio ilegal de vida selvagem

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

@ simbiotica.org, 2005


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com