2005-08-05

Subject: Alterações climáticas vão trazer ondas maiores

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the Wild

Este boletim é mantido por simbiotica.org, uma rede simbiótica de Biologia e Conservação da Natureza

mantenha-se informado das últimas novidades e troque ideias com todos os que fazem parte desta rede!

 

Em destaque:

Alterações climáticas vão trazer ondas maiores

 

  Questões ou comentários para: webmaster@simbiotica.org

Dê a rede simbiotica.org a conhecer a um amigo!!

Os furacões, tornados mais frequentes pelas alterações climáticas, podem causar ondas gigantescas. Foto © Punchstock

Vagas imensas, capazes de afundar os maiores navios, podem não ser afinal acontecimentos tão raros como se pensava, mas antes um resultado comum da acção dos furacões.

Essa é a principal implicação das novas evidências trazidas pelo furacão Ivan, que se deslocou ao longo do Golfo do México em Setembro último e que quase de certeza gerou ondas com mais de 40 metros de altura, da crista à base.

David Wang, do Laboratório de Investigação Naval no Mississipi, diz que a pressão de água medida pela série de sensores localizados no fundo do mar, 60 a 90 metros abaixo da superfície ao largo da costa nordeste do golfo, indica a passagem de ondas com perto de 30 metros de altura.

No entanto, diz ele, as ondas formadas perto do olho do furacão, que passaram sobre os sensores numa altura em que o laboratório não estava a recolher medições, teriam facilmente ultrapassado os 40 metros.

"Estas são as maiores ondas alguma vez registadas através de instrumentos em águas americanas", diz o colega de equipa de Wang, William Teague. "São maiores do que alguma vez se pensou puder existir, e o furacão Ivan nem foi uma tempestade particularmente forte."

Terríveis paredes de água que engolem navios sempre têm feito parte dos contos do mar mas os oceanógrafos só muito recentemente começaram a aceitá-las, pois as estatísticas sugerem que acontecimentos extremos como esses são muito raros.

Mas na realidade não existe nenhuma razão fundamental para que as ondas do mar não atinjam alturas colossais. "Ninguém sabe qual poderá ser o seu limite superior em altura", diz Paul Liu da National Oceanic and Atmospheric Administration em Ann Arbor, Michigan.

As maiores ondas que atingiram a costa têm sido formadas por tsunamis, ondas geradas por movimentos do fundo do mar durante grandes sismos. Mas as ondas de um tsunami no mar alto têm apenas alguns centímetros de altura, crescendo apenas quando alcançam águas rasas. As ondas do tsunami no Índico de Dezembro de 2004 alcançaram os 30 metros acima do nível do mar nas áreas mais fortemente atingidas.

Há testemunhos de pessoas que presenciaram ondas igualmente gigantes em pleno mar alto. Em 1995, o paquete Queen Elizabeth 2 sobreviveu a um encontro com uma delas, com cerca de 30 metros, no Atlântico norte e seis anos depois uma onda semelhante partiu os vidros do cruzeiro Bremen no Atlântico sul, quase o afundando.

 

Suspeita-se agora que estas vagas atípicas, geradas por ventos e correntes, podem explicar o desaparecimento regular e misterioso de grandes navios em mar alto, como por exemplo o petroleiro alemão München, que desapareceu em 1978.

Os testemunhos de passageiros e tripulantes de grandes navios que sobreviveram ao embate de ondas com mais de 25 metros alertaram os cientistas para a existência destas ondas mais altas que edifícios de 10 andares.

Este tipo de onda tem sido atribuído a circunstâncias anormais, como tempestades em movimento rápido, mas as novas descobertas relatadas na revista Science, sugerem que ondas ainda maiores que estas podem surgir em qualquer ponto do oceano quando se forma um furacão.

Shuyi Chen, especialista em modelos de computador de furacões da Universidade de Miami, concorda, referindo que os modelos de furacões mais recentes prevêem que este tipo de onda ocorra muito frequentemente. Estas descobertas estão de acordo com as medidas, menos rigorosas, feitas pelos navios, acrescenta ela.

Il Ju Moon, oceanógrafo da Universidade de Rhode Island que estuda a interacção entre os furacões e o oceano, salienta que o estudo agora conhecido pode ser uma má notícia para os navios e as defesas costeiras. Se a actividade de furacões aumenta, como muitos prevêem devido às alterações climáticas, estas ondas gigantes podem tornar-se cada vez mais frequentes.

 

 

Saber mais:

NRL and the Stennis Space Center

NRL monitoring system

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

@ simbiotica.org, 2005


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com