2005-07-30

Subject: Manaquim "canta" como os grilos

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the Wild

Este boletim é mantido por simbiotica.org, uma rede simbiótica de Biologia e Conservação da Natureza

mantenha-se informado das últimas novidades e troque ideias com todos os que fazem parte desta rede!

 

Em destaque:

Manaquim "canta" como os grilos

 

  Questões ou comentários para: webmaster@simbiotica.org

Dê a rede simbiotica.org a conhecer a um amigo!!

Uma ave que vive na floresta tropical húmida do Equador atrai a atenção das suas parceiras batendo com as penas das asas umas nas outras sobre o dorso, revelaram os investigadores.

Aves e outros vertebrados que utilizam o som para cortejar os seus parceiros sexuais geralmente fazem-no expelindo ar para produzir os sons mas os machos do manaquim Machaeropterus deliciosus são os primeiros que se conhece a usar meios exclusivamente mecânicos para produzir as suas "canções".

"Isto é completamente sem precedentes no mundo dos vertebrados", diz Kimberly Bostwick da Universidade de Cornell em Ithaca, Nova York, a principal autora do estudo agora publicado na revista Science. A técnica é característica de insectos como os grilos.

Apenas os manaquins macho foram observados a produzir sons desta forma. As suas canções podem ser descritas como dois cliques agudos seguidos por uma nota longa como as produzidas pelos violinos. Mas como era a canção não é uma novidade: Charles Darwin já escreveu sobre os estranhos sons produzidos pelo manaquim em 1871. Diga-se de passagem, Darwin também notou que os machos tinham algumas penas com extremidades espessadas.

Agora, mais de 130 ano depois, Bostwick e o seu colega Richard Prum da Universidade de Yale no Connecticut dizem que os manaquins macho usam estas penas espessadas para cantar. Usando câmaras digitais de alta velocidade, eles mostraram que as aves esfregam e batem as pontas das penas das asas umas contra as outras por trás das costas, cerca de 106 estonteantes vezes por segundo.

Trata-se do movimento de membros mais rápido que se conhece em qualquer tipo de vertebrado, refere Bostwick. É mais rápido que os 90 hertz do movimento da cauda de uma cascavel ou que os 80 hertz dos movimentos das asas de um colibri cubano Calypte helena enquanto paira sobre uma flor.

 

"É realmente espantoso para uma ave com aquele tamanho", diz Robert Dudley, perito em fisiologia do voo na Universidade da Califórnia, Berkeley, que não fez parte do estudo.

No entanto, estes movimentos não são suficientemente rápidos para explicar a frequência dos sons produzidos pelos manaquins, que a 1500 hertz são cerca de 14 vezes mais rápidos que as oscilações das asas. Bostwick ficou intrigada quando descobriu a discrepância.

A resposta surgiu quando Bostwick olhou mais de perto para as extremidades espessadas das penas. Descobriu que, tipicamente, uma das penas tem seis a oito sulcos e que a pena do lado se dobra de forma a roçar sobre eles. Assim, durante os movimentos das asas, que decorrem a 106 hertz, a pena roça contra cerca de 7 sulcos quando se afasta e 7 quando regressa.

Para provar que este tipo de movimento cria o som de alta frequência da canção, Bostwick planeia cortar a pena vizinha que se dobra. Uma ave sem essas penas não deverá ser capaz de produzir o som de 1500-hertz.

Entretanto, a maioria dos peritos concorda com a sua explicação. "É muito complicado explicar o resultado por outra forma", diz Jeffrey Podos, que estuda acústica de aves na Universidade do Massachusetts em Amherst.

 

 

Saber mais:

Science

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

@ simbiotica.org, 2005


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com