2005-07-27

Subject: Gatos não têm "boca doce"

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the Wild

Este boletim é mantido por simbiotica.org, uma rede simbiótica de Biologia e Conservação da Natureza

mantenha-se informado das últimas novidades e troque ideias com todos os que fazem parte desta rede!

 

Em destaque:

Gatos não têm "boca doce"

 

  Questões ou comentários para: webmaster@simbiotica.org

Dê a rede simbiotica.org a conhecer a um amigo!!

O genoma dos gatos não lhes permite apreciar as guloseimas

A vida é um pouco menos doce para os gatos: uma análise dos seus genes mostra que não apresentam receptores para o sabor doce funcionais.

Se oferecermos a um cão um osso ou um bombom e ele ficará sempre feliz, pois, tal como o Homem, tem um gosto pelo açúcar. Isso acontece porque, na maioria das línguas de mamífero, as papilas especializadas do gosto captam os sabores doces e enviam um sinal de prazer para o cérebro.

Estes receptores contêm um par de proteínas designadas T1R2 e T1R3, que estão associadas. Quando o açúcar se associa a estes receptores, desencadeiam uma cascata de acontecimentos dentro da célula que, eventualmente assinalam a sensação de doce.

Os cientistas documentaram pela primeira vez o desinteresse comportamental dos gatos pelo açúcar na década de 70 do século XX mas ninguém foi capaz de explicar o motivo porque os gatos domésticos Felis silvestris catus não se interessavam por doces.

Joseph Brand do Monell Chemical Senses Center em Filadélfia, decidiu sequenciar as regiões do DNA do gato doméstico que codificam as proteínas T1R2 e T1R3.

A sua análise fornece uma explicação clara para a "cegueira" dos gatos para os doces: o gene que codifica a proteína T1R2 não apresenta 247 pares de bases, o que significa que não consegue produzir uma proteína funcional.

 

Esta versão felina encurtada da proteína T1R2 representa o que é conhecido como pseudogene: um gene que perdeu a sua capacidade para funcionar. Os genes que não são importantes para a sobrevivência de uma espécie têm tendência para acumular mais mutações ao longo do tempo, refere Brand. 

Ele diz que muitos genes associados ao olfacto humano tiveram este destino. "Não havia pressão selectiva para os manter intactos." Como resultado, possuímos um sentido do olfacto muito mais fraco que muitos outros animais.

Como os gatos são carnívoros estritos, podem muito bem não ter qualquer necessidade de detectar o açúcar, sugere ele. "Mas até nos dá pena deles, não é?"

Brand admite que já viu gatos devorarem bolos "mas seja lá qual for o motivo porque o gato o está a comer, não é pelo sabor doce. Talvez golte da textura ou esteja apenas aborrecido." Ele também remete as anedotas de gatos a comerem chocolate para o facto de os animais apreciarem a gordura e outros ingredientes do cacau, não os açucares.

A equipa de investigação já descobriu o mesmo tipo de delecção genética em parentes próximos do gato doméstico, incluindo o tigre e a chita. Agora esperam descobrir se em parentes mais afastados, como as hienas, também pode ser encontrada a mesma falha no gene T1R2.

 

 

Saber mais:

Cat health

The sense of taste

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

@ simbiotica.org, 2005


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com