2005-07-08

Subject: Greenpeace assinala aniversário do ataque ao Rainbow Warrior

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the Wild

Este boletim é mantido por simbiotica.org, uma rede simbiótica de Biologia e Conservação da Natureza

mantenha-se informado das últimas novidades e troque ideias com todos os que fazem parte desta rede!

 

Em destaque:

Greenpeace assinala aniversário do ataque ao Rainbow Warrior

 

  Questões ou comentários para: webmaster@simbiotica.org

Dê a rede simbiotica.org a conhecer a um amigo!!

O vigésimo aniversário do ataque à bomba do emblemático navio da Greenpeace Rainbow Warrior no porto de Auckland vai ser assinalado amanhã, dia 10 de Julho.

O atentado, levado a cabo por agentes dos serviços secretos franceses, foi uma tentativa para sabotar a campanha de 1985 da Greenpeace contra os testes nucleares no Pacífico. O ataque resultou no afundamento do Rainbow Warrior e na morte do português Fernando Pereira, membro voluntário da população e fotógrafo freelance.

O acontecimento granjeou à Greenpeace celebridade mundial instantânea e garantiu que o Rainbow Warrior II se tornasse um ícone duradouro do movimento ambientalista.

Andy Booth, antigo director de campanha da Greenpeace inglesa, lembra-se bem desse dia: "Na altura, estávamos a planear uma acção directa contra a estação Drax, como parte da nossa campanha internacional para evitar as chuvas ácidas."

"Costumávamos dormir nos escritórios durante os períodos mais intensos e estávamos a meio da noite quando a notícia chegou. Na altura, a Greenpeace era uma organização pequena, onde todos se conheciam e queriam fazer algo para evitar a degradação do planeta."

RW20 Dove Banner"Éramos novos, acreditávamos que a razão estava do nosso lado e por isso achávamo-nos quase invencíveis. O afundamento e a morte do Fernando abalou fortemente a organização. Revelou a natureza de vida ou morte das campanhas que defendíamos mas, para a maioria de nós, apenas serviu para fortalecer a nossa resolução."

Actualmente, ancorada para o fim de semana no porto pesqueiro de Nelson, Nova Zelândia, a Greenpeace tem uma recepção mista dos locais, muitos pescadores dependentes dos arrastões de fundo que os seus armadores usam e que a organização quer ajudar a proibir.

O capitão do Rainbow Warrior em 1985 era Pete Willcox, que tem vindo a partilhar o posto desde há mais de 24 anos. Willcox recorda como, há 20 anos, o barulho da primeira bomba o acordou e ao seu imediato, que pensou que tinham sido abalroados por outro navio, até se lembrar que estavam no porto.

 

Willcox chamou todos ao convés, momento em que ocorreu a segunda explosão, causada por uma mina francesa detonada tão perto da cabina do fotógrafo português que este deve ter ficado inconsciente e se afogou na água que rapidamente penetrou no casco.

O Warrior adornou grotescamente, mantido acima da linha de água do lado onde as cordas o mantinham preso ao cais. Willcox ordenou que a tripulação abandonasse o navio, que se afundou perante os seus olhos.

A polícia prendeu a tripulação da Greenpeace, acreditando que eram os responsáveis pelo ataque mas, rapidamente ficou claro que as minas tinham sido colocadas externamente. Em poucos dias tudo apontava para a França e para o seu desejo de impedir a planeada "Frota da Paz do Pacífico".

A Frota da Paz do Pacífico era uma frota de navios de protesto, liderada pelo Rainbow Warrior, numa viagem para o atol de Moruroa para protestar contra os testes franceses de armas nucleares. Inicialmente a França negou o seu envolvimento mas posteriormente admitiu a sua responsabilidade.

Actualmente, a Greenpeace é activa em muitas frentes: alterações climáticas, defesa dos oceanos, florestas ancestrais, engenharia genética, químicos tóxicos, armas nucleares, comércio sustentado, são algumas das suas campanhas mais importantes.

A convicção de Willcox sobre estas questões continua tão forte como há 24 anos. "A Greenpeace não é contra a pesca, queremos tanto peixe como o que for sustentável capturar, queremos que as nossas crianças também possam comer peixe. Mas parece-me claro que temos que nos afastar do oceano e dar-lhe tempo para que recupere. A história diz-nos que as companhias pesqueiras conduzem os peixes à extinção se as deixarmos."

Em 1985, o corpo de Fernando Pereira foi enterrado na baía de Matauri, Nova Zelândia, local onde o Rainbow Warrior irá estar este 10 de Julho, para uma cerimónia de homenagem.

Estão igualmente previstos concertos de bandas locais para essa noite, acontecimento que irá certamente atrair apoiantes desta organização conservacionista vindos de todo mundo.

 

 

Saber mais:

Greenpeace

Rainbow Warrior II

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

@ simbiotica.org, 2005


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com