2003-09-26

Subject: cães podem ajudar a entender o genoma humano

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do Boletim Informativo Born to be Wild, para que não esqueça o seu lado selvagem ...

 

Em destaque:

cães podem ajudar a entender o genoma humano

 

  Questões ou comentários para: borntobewild@clix.pt

Dê o site Born to be Wild a conhecer a um amigo!!

 

O mapa genético do melhor amigo do Homem mostra que os cães têm uma relação próxima com o Homem, o que permitirá uma maior compreensão da nossa própria genética. 

O método de mapeamento genético usado para os cães é muito mais rápido que o usado anteriormente na sequênciação dos genomas humano, de ratos e de moscas da fruta, oferecendo excelentes perspectivas para o estudo de outros mamíferos.

No Centro de Genética Avançada de Rockville, Maryland, foram usadas células de Shadow, o caniche do dono da empresa. O estudo revelou que, de 24000 genes humanos conhecidos, pelo menos 18000 são partilhados com os cães. 

Os investigadores têm esperança de compreender finalmente as características e comportamentos típicos de certas raças de cães, como nadar ou arrebanhar gado. Já foram identificados 974400 polimorfismos nucleotídicos no genoma canino. Estas pequenas diferenças no código genético, que podem codificar para diferentes cores de olhos ou tendência para contrair uma certa doença, podem igualmente explicar as diferenças entre as raças. 

Igualmente próximos evolutivamente dos cães estão os gatos, logo este estudo pode ser de grande utilidade no controlo de doenças felinas. 

O estudo confirma que embora os cães e os lobos tenham divergido do ancestral comum de todos os mamíferos antes dos primeiros hominídeos e ratos o terem feito, o cão está muito mais próximo do Homem que o rato. Esta situação resulta do facto de ratos estarem a evoluir mais rapidamente que os lobos.

Dado que a investigação sobre a reprodução canina está bastante atrasada, este estudo não irá permitir a breve troço experiências de clonagem, transferência de embriões, investigação em células estaminais ou organismos transgénicos com cães.

Outro facto importante é a ligação afectiva do Homem com o cão, que com certeza impedirá a sua utilização neste tipo de investigação, ao contrário do que acontece com os ratos, comentaram os investigadores.

Os autores pensam avançar com este tipo de estudos em outros mamíferos inteligentes, como elefantes, golfinhos e baleias, donde esperam encontrar mais do que informação sobre doenças humanas. 

 

 

 

Outras Notícias: 

Clonado o primeiro rato de laboratório

 

Um grupo de investigadores do Institut National de la Recherche Agronomique, em França, e a companhia GenOway anunciaram a clonagem de ratos de laboratório, o que abre portas ao fornecimento de melhores animais para investigação.

A clonagem destes animais irá ajudar na produção de ratos transgénicos, melhores modelos genéticos para estudos médicos e farmacêuticos, concluíram os seus criadores. Estes animais poderão ser modificados para apresentar um sistema imunitário deficiente ou uma tendência para o cancro. Outras estirpes não apresentarão um dado gene, o que permitirá deduzir a sua função no corpo de um mamífero.

Os ratos são mais difíceis de clonar que as ovelhas, vacas ou macacos, pois evoluíram para uma rápida reprodução e os seus óvulos tornam-se activos imediatamente após a ovulação. Este facto tem dificultado uma técnica que depende da manipulação do núcleo do óvulo.

 

  Saber mais:   

Projecto Genoma Humano

À Descoberta da Vida

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo?? 

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja receber o boletim Born to be Wild clique aqui!!

Respeitar os animais é respeitarmo-nos a nós próprios!

@ Born to be Wild, 2003


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com