2005-06-03

Subject: Terapia génica salva nervos sensíveis

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the Wild

Este boletim é mantido por simbiotica.org, uma rede simbiótica de Biologia e Conservação da Natureza

mantenha-se informado das últimas novidades e troque ideias com todos os que fazem parte desta rede!

 

Em destaque:

Terapia génica salva nervos sensíveis 

 

  Questões ou comentários para: webmaster@simbiotica.org

Dê a rede simbiotica.org a conhecer a um amigo!!

A dor neuropática é um grave problema dos nervos para o qual a medicina não tem uma cura eficaz mas um grupo de cientistas da Universidade do Michigan em Ann Arbor mostraram que esta dor pode ser aliviada através de uma técnica de transferência génica, pelo menos em ratos.

A neuropatia, uma degenerescência dos nervos, é uma complicação comum associada à diabetes e a outras doenças. Quando ocorre dano aos nervos sensoriais, transmissores de dor, temperatura e tacto, os pacientes sofrem.

O vírus herpes desactivado é o mensageiro perfeito para introduzir genes nos nervos

Nestes casos, o menor toque causa insuportáveis sensações de queimadura e temperaturas que normalmente seriam consideradas agradáveis são sentidas como incandescentes. Ainda pior, a dor surge frequentemente na ausência de qualquer tipo de estímulo, tendo a medicação muito pouco efeito.

Um dos muitos factores que se sabe estarem envolvidos no surgimento da dor neuropática é a redução do neurotransmissor conhecido por GABA na medula espinal, pois esta molécula tem um efeito controlador da transmissão nervosa.

Os cientistas sabem que uma enzima chamada ácido glutâmico descarboxilase (GAD) pode aumentar a produção de GABA. Assim, os cientistas do Michigan ponderaram se seria possível aumentar a quantidade de GABA e aliviar a dor introduzindo um gene que codifica a produção de GAD para a medula espinal.

Como modelo de teste, a equipa danificou o nervo ciático de um grupo de ratos, levando a que os animais a sofrer com o menor aumento de temperatura ou toque. De seguida, usaram um vírus para introduzir o gene codificador para a GAD na medula espinal dos ratos. 

 

O vírus, que era uma versão modificada do vírus herpes que foi tornada inofensiva por engenharia genética e continha também um gene promotor para activar o funcionamento do gene. Depois de injectado sob a pele, o vírus fez o que faz melhor: penetrou nos nervos periféricos e deslocou-se para os centros nervosos principais.

Um vírus herpes normal de seguida iria replicar-se e viajar novamente através dos nervos até à pele por onde entrou, causando feridas. Mas a versão modificada usada pelos cientistas permaneceu nos centros nervoso, onde expressou o gene GAD, aumentando os níveis locais de GABA.

"Apenas exploramos o comportamento natural do vírus", diz o neurologista David Fink, co-director do estudo agora publicado na revista Annals of Neurology.

Os ratos tratados tornaram-se significativamente menos sensíveis ao toque e às variações de temperatura, enquanto os ratos que receberam placebos não. O efeito durou até seis semanas: o tempo de vida do gene promotor usado pelos cientistas.

Fink espera iniciar os testes clínicos para a aplicação desta terapia em humanos já para o ano. 

 

 

Saber mais:

Neuropathic pain

Central Pain Syndrome Alliance

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

@ simbiotica.org, 2005


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com