2005-05-30

Subject: À caça do extinto lobo da Tasmânia

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the Wild

Este boletim é mantido por simbiotica.org, uma rede simbiótica de Biologia e Conservação da Natureza

mantenha-se informado das últimas novidades e troque ideias com todos os que fazem parte desta rede!

 

Em destaque:

À caça do extinto lobo da Tasmânia 

 

  Questões ou comentários para: webmaster@simbiotica.org

Dê a rede simbiotica.org a conhecer a um amigo!!

Surgem assim que o Sol se põe na ilha-estado australiana da Tasmânia. 

The last known Tasmanian tiger
O último lobo da Tasmânia, baptizado Benjamin, morreu num jardim zoológico em 1936

O Inverno já chegou e a temperatura está pouco acima do zero e a vasta copa dos eucaliptos apenas deixa passar uma fugidia fresta de luar. Nesta condições, Col Bailey e um grupo de amigos partem para a caça ao lobo.

O facto de o "lobo" da Tasmânia ter sido declarado oficialmente extinto há perto de 70 anos não parece afectar minimamente Col e os seus amigos caçadores.

Eles estão convencidos que o nocturno lobo da Tasmânia Thylacinus cynocephalus, uma das espécies mais exóticas do planeta nos últimos tempos, ainda sobrevive, ainda que à beira da extinção.

Col diz que viu um há 40 anos e desde então que procura outro. "Já senti o cheiro de um e segui os rastos de vários desde então e não se pode chegar mais perto que isso. De certeza que ainda andam por aí."

O lobo da Tasmânia já foi o rei do mato australiano. Um carnívoro marsupial, de facto não tem qualquer tipo de relação com a família dos lobos.

É descrito como tendo o tamanho de um cão pastor alemão, com uma cabeça que parece demasiado grande para o corpo. A pelagem é acastanhada, com o lombo coberto de riscas negras.

Quando o viram pela primeira vez, os colonos europeus que chegaram à Austrália há mais de 200 pensaram que seria uma espécie de lobo ou de tigre e o nome "pegou".

Col explica: "Não é como a maioria dos predadores. Não é rápido, logo não salta sobre a presa, preferindo persegui-la durante horas ou mesmo dias, até a cansar. É mais um corredor de maratona que um velocista."

O último lobo da Tasmânia conhecido morreu de desidratação no jardim zoológico de Hobart em 1936. A espécie foi deliberadamente caçada até à extinção pelos agricultores, acirrados pelo número de ovelhas que eram capturadas por animais que não passavam de pragas, pela sua visão.

A cabeça dos lobos da Tasmânia foi colocada a prémio e os atiradores profissionais foram encorajados a caçar no mato. Cada pele que traziam rendia-lhes uma recompensa governamental.

 

Agora a caçada completa o círculo. A principal revista australiana, The Bulletin, está a oferecer $1 milhão a quem fotografar um lobo e prove que a espécie ainda sobrevive. Col e dúzias de outros caçadores de longa data, no entanto, consideram que o dinheiro nunca foi e nunca será a sua verdadeira motivação.

Existem claros paralelos com a caça ao monstro de Loch Ness, na Escócia. O lobo da Tasmânia provoca uma obsessão similar no coração dos verdadeiros crentes mas há muito poucas bases científicas para acreditar que o lobo ainda sobrevive.

Mena Jones é uma das mais respeitadas biólogas da fauna selvagem da Austrália, liderando uma equipa de investigação da Universidade de Hobart, e mantém uma mente aberta à sobrevivência do lobo. "Quanto mais tempo passa sem que exista um avistamento confirmado, menos provável é que ainda andem por aí."

Baby Tasmanian tiger born 133 years ago
O tilacino era um predador marsupial de grande porte, cujo território se estendia da Papua-Nova Guiné à Tasmânia. Os investigadores duvidam que a clonagem o possa trazer de volta

No entanto, ela refere: "É possível que bolsas de lobos da Tasmânia tenham sobrevivido. Seriam muito difíceis de avistar e deveriam estar em zonas remotas, sem frequência humana. Podem existir vales nos matos onde pequenas colónias poderiam estar escondidas."

A Tasmânia ainda apresenta vastas áreas selvagens, daí a esperança para a sobrevivência do lobo. Várias testemunhas aparentemente credíveis alegam tê-lo visto em anos recentes. O único problema é que fotografá-lo está a revelar-se uma tarefa tão esquiva como o próprio lobo.

 

 

Saber mais:

The Bulletin

University of Tasmania

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

@ simbiotica.org, 2005


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com