2005-05-22

Subject: Descoberta nova espécie de macaco africano 

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the Wild

Este boletim é mantido por simbiotica.org, uma rede simbiótica de Biologia e Conservação da Natureza

mantenha-se informado das últimas novidades e troque ideias com todos os que fazem parte desta rede!

 

Em destaque:

Descoberta nova espécie de macaco africano 

 

  Questões ou comentários para: webmaster@simbiotica.org

Dê a rede simbiotica.org a conhecer a um amigo!!

Image: Zina Deretsky, National Science FoundationUma espécie totalmente desconhecida para a ciência foi descoberta nas montanhas do sul da Tanzânia. Acredita-se que o animal pertença a uma espécie criticamente ameaçada, com pouco mais de mil indivíduos sobreviventes.

O mangabey das terras altas, como foi baptizado, vive nas árvores e pensa-se que seja aparentado de perto com os babuínos. 

Tom Butynski foi um dos primeiros cientistas a seguir o discreto macaco e considera uma grande emoção ser apenas o segundo ou terceiro primatologista a observar este animal. "O nosso queixo cai e surge-nos um grande sorriso na cara", explica ele, "só conseguimos dizer 'wow'!"

Butynski fazia parte de uma equipa de investigação americana de visita a Reserva Florestal de Ndundulu, com o objectivo de averiguar a veracidade dos avistamentos do mangabey de Sanje, um raro "primo" desta nova espécie.

Sem o seu conhecimento, uma outra equipa de investigadores que trabalhava a algumas centenas de quilómetros nas terras altas do sul da Tanzânia também estava na peugada do animal.

Image: Tim Davenport/WCS"Estes macacos têm, provavelmente, estado lá há centenas de milhares de anos", diz Butynski. "Qual é a probabilidade de dois projectos independentes encontrarem este animal no espaço de 10 meses?"

A outra equipa de investigação, liderada por Tim Davenport da Wildlife Conservation Society, andava há vários meses a fazer buscas na área, após relatos de caçadores que diziam ter visto um estranho animal, conhecido localmente por Kipunji. Finalmente, no ano passado, avistaram o macaco.

"Esta descoberta prova que ainda há muito para aprender acerca das áreas mais remotas e menos conhecidas da Tanzânia e da África como um todo", diz Davenport.

 

A existência de um mamífero tão grande a viver fora de vista durante tanto tempo espantou os biólogos. Já passaram mais de duas décadas desde a última descoberta de um novo macaco africano.

Russell Mittermeier, da IUCN - The World Conservation Union, diz que esta situação só demonstra o pouco que sabemos acerca dos nossos parentes mais próximos, os primatas não humanos. "Um macaco grande e vistoso tem estado escondido debaixo dos nossos narizes num país onde se tem feito muita investigação sobre a vida selvagem", diz ele.

Image: Zina Deretsky, National Science FoundationO mangabey das terras altas Lophocebus kipinji é castanho com um grito muito característico, parecido com um grunhido latido. Vive até aos 2450 metros de altitude e tem longa pelagem para suportar o frio.

Os cientistas acreditam que existem duas ou mais populações a viver nas florestas perto do Parque Nacional das Montanhas Udzungwa, mas com tão poucos indivíduos, o seu futuro é incerto.

Parte do habitat do macaco foi destruído pelo abate ilegal de árvores, pelo que se está a fazer um apelo à expansão da área protegida do parque nacional. 

 

 

Saber mais:

Science

Wildlife Conservation Society

IUCN

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

@ simbiotica.org, 2005


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com