2005-05-20

Subject: Tsunami foi uma benção para tartarugas ameaçadas

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the Wild

Este boletim é mantido por simbiotica.org, uma rede simbiótica de Biologia e Conservação da Natureza

mantenha-se informado das últimas novidades e troque ideias com todos os que fazem parte desta rede!

 

Em destaque:

Tsunami foi uma benção para tartarugas ameaçadas

 

  Questões ou comentários para: webmaster@simbiotica.org

Dê a rede simbiotica.org a conhecer a um amigo!!

As criticamente ameaçadas tartarugas oliváceas de Ridley têm tido uma estação de procriação segura ao longo da costa do estado indiano de Tamil Nadu. Grande número de tartarugas Lepidochelys oliveacea são normalmente mortas ao ficar presas nas redes dos arrastões locais mas a actividade pesqueira está significativamente reduzida este ano, devido ao tsunami de Dezembro passado.

Grande número de pescadores perdeu o seu equipamento e barcos e continuam receosos de voltar ao mar. Como resultado, poucas tartarugas foram encontradas mortas na época de procriação de Novembro a Abril

As organizações conservacionistas como o Madras Crocodile Bank Trust, a Students' Sea Turtle Conservation Network (SSTCN) e a Tree Foundation relatam perto do dobro do número habitual de ninhos de tartarugas oliváceas de Ridley ao longo da costa junto à capital do estado, Chennai, e libertaram o dobro de crias no mar.

A costa de Chennai é o segundo maior habitat para esta espécie, logo atrás do estado de Orissa, no leste indiano, onde 800000 tartarugas acasalam e fazem ninho todos os Invernos.

T Krishnamoorthy, gestor da Child Relief and You, tem sido activamente associado com os esforços de reabilitação nas zonas do estado atingidas pelo tsunami. Ele refere que a actividade pesqueira habitual não foi retomada. "Os pescadores não foram capazes de ultrapassar o seu medo do mar", diz ele. "O governo disponibilizou dinheiro para compensações mas são necessárias tantas condições para o receber que, na sua maioria, ainda não receberam ajuda."

De acordo com os estudos de organizações não governamentais, mesmo seis meses após o desastre, cerca de 60% dos barcos mecanizados retomaram a actividade pesqueira na região. Para sorte das tartarugas, esta actividade começou muito mais tarde no ciclo de vida destes répteis.

Entre algumas das espécies mais primitivas ainda vivas, estas tartarugas devem o seu nome à coloração azeitona da sua carapaça em forma de coração.

Espécie protegida na Índia, são a menor das tartarugas marinhas, pesando cerca de 50 Kg e medindo entre 60 e 70 cm de comprimento. Vêm a terra à noite, durante a maré cheia, para escavar buracos com 45 cm de profundidade, onde depositam perto de 120 ovos, que cobrem com areia.

Regressam ao mesmo local todos os anos, fazendo cerca de três ninhos entre Dezembro e Abril. "Estas tartarugas marinhas são afectadas principalmente pela actividade pesqueira ao longo da costa", diz Adhith Swaminathan, da SSTCN. "Para além dos pescadores tradicionais, os arrastões é que são o principal problema."

As tartarugas oliváceas de Ridley vêm à superfície a cada 40 minutos para respirar e ficam presas nas redes de arrasto. À medida que as traineiras arrastam as redes, as tartarugas afogam-se e morrem.

 

Os pescadores também matam as tartarugas porque, ao ficarem enrodilhadas nas redes, danificam o equipamento. "A taxa de mortalidade atinge o máximo durante a época de reprodução pois as tartarugas migram de locais tão distantes como a Austrália para acasalar ao largo da costa", diz Adhith.

Ao longo da última década, mais de 120000 tartarugas mortas foram encontradas em Orissa. Entre Dezembro de 2004 e Fevereiro de 2005 mais de 5000 tartarugas mortas foram encontradas nas praias.

As tartarugas oliváceas de Ridley estão em risco eminente de extinção, devido à elevada mortalidade associada à pesca

Apesar dos arrastões mecanizados terem sido proibidos nos habitats de tartaruga de Orissa, a lei não tem sido aplicada. Os ninhos também são ameaçados por marés vivas, tempestades e predadores naturais, mas a ameaça humana é a mais crítica.

"As tartarugas marinhas, especialmente as recém-nascidas, são atraídas para o horizonte brilhante", diz Adhith. "O mar seria naturalmente o horizonte mais brilhante mas as luzes artificiais ao longo da costa enganam as crias, levando-as para as estradas, onde são comidas por cães ou desidratam e morrem."

As urbanizações humanas na praia forçaram as tartarugas a fazer ninho nas ervas ou demasiado junto à linha da maré alta.

As tartarugas também estão cada vez mais a ser caçadas furtivamente por serem consideradas uma iguaria em várias partes do mundo. Os ovos são vendidos como comida e as carapaças como ornamentos.

De acordo com as autoridades responsáveis de Tamil Nadu, a recolha e a a venda de ovos de tartaruga é ilegal no estado mas rendem sempre bom dinheiro, devido à crença que têm maior valor nutricional. 

 

 

Saber mais:

Indian Ocean and South East Asian Marine Turtle Memorandum of Understanding

Turtle Trax

Naucrates

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

@ simbiotica.org, 2005


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com