2005-05-17

Subject: "Carne selvagem" responsável pela propagação de novos vírus

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the Wild

Este boletim é mantido por simbiotica.org, uma rede simbiótica de Biologia e Conservação da Natureza

mantenha-se informado das últimas novidades e troque ideias com todos os que fazem parte desta rede!

 

Em destaque:

"Carne selvagem" responsável pela propagação de novos vírus 

 

  Questões ou comentários para: webmaster@simbiotica.org

Dê a rede simbiotica.org a conhecer a um amigo!!

Dois novos vírus, da mesma família do HIV, foram descobertos em populações da África central que caçam primatas não humanos. Os investigadores consideram que o seu trabalho demonstra que vírus potencialmente perigosos podem passar de primatas para o Homem.

Eles referem que é importante controlar as doenças que se demonstram nos caçadores de carne selvagem, pois qualquer vírus que eles contraiam pode espalhar-se rapidamente para a população geral.

Os novos vírus identificados neste estudo fazem parte do grupo dos retrovírus, conhecidos por causar doenças muito graves no Homem e foram baptizados vírus T-limfotropico humano dos tipos 3 e 4 (HTLV-3 e HTLV-4).

Já eram conhecidas infecções com HTLV-1 e HTLV-2. Na maioria dos casos, a infecção não produz sintomas mas pode desencadear problemas neurológicos ou mesmo leucemia.

O investigador principal Nathan Wolfe refere: "A emergência do HIV a partir das suas origens primatas já custou milhões de vidas. A descoberta dos HTLV-3 e HTLV-4 mostra que, em vez de serem acontecimentos raros, os retrovírus estão activamente a transpor a barreira para as populações humanas."

A equipa de investigadores recolheu e examinou amostras de sangue de mais de 900 pessoas por toda a República dos Camarões. Todos os indivíduos estudados referiam algum grau de exposição a sangue e a fluidos corporais de primatas não humanos, geralmente devido à caça e desmembramento de carne selvagem e, em alguns casos, ao facto de terem os macacos como animais de estimação.

A análise das amostras de sangue mostrou sinais de vários vírus símios, que tinham infectado os participantes no estudo. Os dois vírus até agora desconhecidos foram encontrados em caçadores de carne selvagem.

O HTLV-3 é muito semelhante a um vírus símio conhecido por STLV-3, e deve ter sido contraído através do contacto directo com um primata durante a caça.

Já o HTLV-4 não tem um correspondente primata conhecido, tornando a sua origem menos clara. Os investigadores acreditam que pode ter emergido através de transmissão lateral entre espécies diferentes, a partir de um animal transportador de uma estirpe desconhecida de STLV.

Esta mesma equipa de investigadores já foi responsável pela descoberta de outro retrovírus de primatas, o vírus espumoso símio (SFV), em caçadores de carne selvagem no ano passado.

 

Neste momento, não é claro se alguns dos vírus agora descobertos ou mesmo o SFV são perigosos para o Homem, ou se podem ser transmitidos pessoa a pessoa. No entanto, os investigadores consideram que o seu trabalho demonstra claramente que a caça de carne selvagem fornece a oportunidade para os vírus ultrapassarem a barreira da espécie.

Wolfe explica: "A colaboração que mantemos com os caçadores da zona da África central dá-nos a possibilidade de prever e impedir a emergência de doenças. Dado o incrível potencial de perda de vidas associado aos retrovírus e à sua dessiminação pela população geral, o desenvolvimento de um sistema de alerta, como a vigilância a longo prazo dos caçadores de carne selvagem, deve ser considerado um imperativo global de saúde pública."

Deenan Pillay, perito em virulogia da University College de Londres, refere que antes se considerava que poucos vírus conseguiam ultrapassar a barreira da espécie. "Esta investigação sugere que há uma taxa de propagação de uma vasta gama de vírus de símios para humanos muito mais elevada do que se pensava."

"No entanto, isso não é por si só alarmante. Se o vírus não se conseguir replicar ou não conseguir passar de pessoa a pessoa, não é uma ameaça. Mas se a transmissão entre espécies é tão frequente, então basta um desses vírus ser capaz de dominar um indivíduo e passar para outro e teremos uma nova epidemia."

 

 

Saber mais:

The Bushmeat Campaign

Proceedings of the National Academy of Sciences

Johns Hopkins University Bloomberg School of Public Health

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

@ simbiotica.org, 2005


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com