2005-04-21

Subject: Formigas amazónicas emboscam as presas

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the Wild

Este boletim é mantido por simbiotica.org, uma rede simbiótica de Biologia e Conservação da Natureza

mantenha-se informado das últimas novidades e troque ideias com todos os que fazem parte desta rede!

 

Em destaque:

Formigas amazónicas emboscam as presas

 

  Questões ou comentários para: webmaster@simbiotica.org

Dê a rede simbiotica.org a conhecer a um amigo!!

Usando uma armadilha caseira, uma minúscula espécie de formiga é capaz de atrair e capturar presas muito maiores do que elas próprias e faze-las em pedaços rapidamente.

Esconde-te e come: este bem podia ser o lema desta espécie de formiga, que espera emboscada por uma refeição gigante. Clique aqui para ver o vídeo © Universite Toulouse III

As formigas da espécie Allomerus decemarticulatus, que vivem sobre as plantas amazónicas da espécie Hirtella physophora, constróem uma estrutura em favos a partir das fibras da sua planta hospedeira, onde aguardam emboscadas a sua presa.

As operárias escondem-se nos buracos desta armadilha mortífera com as mandíbulas abertas, aguardando gafanhotos e outros insectos incautos.

Quando as presas pousam sobre a armadilha, agarram-lhes rapidamente as extremidades, puxando-lhes as patas e antenas até imobilizar o "refém".

Quando o insecto é imobilizado, outras formigas emergem da colónia para o golpe de misericórdia, dado com picadas e injecções de veneno paralisante (veja o vídeo).

"Esta é a primeira vez que observámos formigas capazes de construir uma armadilha para emboscar e capturar presas", refere o investigador Jérôme Orivel da Universidade de Toulouse, França.

"As presas são paralisadas e desmembradas muito rapidamente, mas após a captura inicial o processo torna-se mais calmo e lento", diz Orivel. "A presa pode ser cortada em pedaços ou deslocada inteira para o interior da colónia, onde irá servir de alimento às larvas."

As formigas, estudadas na Guiana Francesa, também são capazes de "cultivar" uma dada espécie de fungo sobre a sua planta hospedeira. Os investigadores acreditam que o fungo é transportado de planta em planta pela rainha da colónia. 

O bolor é depois espalhado sobre a armadilha construída pelas formigas, de forma a reforçar a sua estrutura, pois endurece-a e transforma-a num material semelhante à fibra de vidro. "É verdadeiramente espantosa a forma como manipulam o fungo para construir a sua armadilha", refere Orivel.

A equipa de Orivel também descobriu recentemente uma outra espécie de formiga Allomerus octoarticulatus, semelhante à agora estudada, que caça da mesma forma, apesar das suas armadilhas serem menores. Essa espécie será a próxima a ser estudada a fundo. 

 

Outras Notícias:

O raro "perfume" a carne podre

A flor da Amorphophallus titanium tem cerca de 211 cm de altura

Uma rara flor gigante, o arum titã, está a espalhar um forte odor a carne podre nos Kew Gardens de Londres.

Vulgarmente conhecida por "flor cadáver" pelos indonésios de Sumatra, donde é nativa, a flor vermelha tem mais de 2 metros de altura e tinha florescido nos jardins pela última vez em 2003.

O forte odor, classificado pelos visitantes como "de fraldas sujas", atrai os insectos polinizadores à planta.

A planta Amorphophallus titanium é considerada a maior flor do mundo e conhecida pelo seu "perfume" invulgar.

Nas últimas semanas, o caule da planta cresceu cerca de 10 cm por dia, até que abriu lentamente a flor em forma de guarda-chuva virado ao contrário.

O horticultor dos jardins de Kew Phil Griffiths garante que o sucesso no cultivo desta espécie rara foi mudar os seus bolbos para vasos grandes. "Assim o bolbo tem espaço para crescer e as flores ficam verdadeiramente gigantescas", explica ele. 

 

 

Saber mais:

Antcolony

Ant Base

Royal Botanical Gardens Kew

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

@ simbiotica.org, 2005


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com