2005-04-13

Subject: Projecto de DNA segue migrações humanas

News of the Wild

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the  Wild

Este boletim é mantido pelo site Born to be Wild, em colaboração com o site educativo À Descoberta da Vida,              para que não esqueça o seu lado selvagem ...

 

Em destaque:

Projecto de DNA segue migrações humanas

 

  Questões ou comentários para: webmaster@simbiotica.pt

Dê os sites Born to be Wild/À Descoberta da Vida a conhecer a um amigo!!

Um projecto abrangendo cinco continentes tem como objectivo traçar a história das migrações humanas através do DNA. O Genographic Project irá recolher amostras de DNA de mais de 100000 pessoas de todo o mundo para ajudar a construir uma imagem da forma como a Terra foi colonizada.

As amostras recolhidas de populações indígenas e do público em geral irão ser sujeitas a análises computurizadas e laboratoriais de forma a extrair-se valiosos dados genéticos. O líder da equipa Spencer Wells chama ao plano "a fotografia da Lua da antropologia". A iniciativa de fundos privados é uma colaboração entre o National Geographic, a IBM e a Waitt Family Foundation.

Participando no estudo de cinco anos estão alguns dos maiores geneticistas mundiais, bem como peritos em DNA antigo, linguística e arqueologia.

"Vemos este projecto como um recurso para o futuro da humanidade. Pode tornar-se, potencialmente, a maior base de dados genética alguma vez criada", diz Wells. Membros do público poderão comprar um kit contendo todo o material necessário para acrescentar a sua informação à base de dados.

As provas recolhidas pela genética e pela arqueologia colocam a origem do Homem moderno Homo sapiens sapiens em África há aproximadamente 200000 anos. Os primeiros deles deixaram o continente há cerca de 60000 anos.

Estudando o cromossoma Y e o DNA mitocondrial (baseado exclusivamente na linha maternal), os cientistas construíram uma imagem em traços largos de quais as populações que se deslocaram e quando. O que falta, diz Wells, é o detalhe fino, que pode ser encontrado com este projecto em larga escala.

"Sabemos que marcadores do cromossoma Y estudar, compreendemos o genoma mitocondrial bastante bem, só não temos tido amostras grandes onde aplicar estas tecnologias", explica Wells. "Há muitas perguntas por responder: houve cruzamentos como  Neanderthal quando o Homem moderno colonizou a Europa? Terão as migrações para as Américas ocorrido pelo Pacífico ou pelo Atlântico?"

Estas e outras perguntas por responder fazem parte dos objectivos do projecto, que incluem:

  • quem são as populações mais antigas de África, logo do mundo?

  • terá o exército de Alexandre, o Grande, deixado um trilho genético?

  • quem foram os primeiros colonizadores da Índia?

  • é possível obter DNA dos vestígios fósseis do Homo erectus e de outros hominídeos extintos?

  • como afectou o colonialismo os padrões genéticos africanos?

  • terá havido mistura com o Homo erectus à medida que se deu a colonização do sudeste asiático?

  • existem relações entre os aborígenes australianos e as suas histórias orais?

  • quais as origens das diferenças entre os diversos grupos humanos?

 

Mas alguns investigadores consideram que a experiência de outros projectos sugere que este pode originar problemas com os grupos indígenas, particularmente com os índios americanos e os aborígenes australianos. 

Ajay Royyuru, cientista líder da IBM e do Genographic Project está optimista: "Queremos atrair a participação das populações deixando bem claro que o que vamos e não vamos fazer. Por exemplo, vamos deixar claro que não tencionamos explorar a sua diversidade genética com fins médicos", diz ele.

IBM diz que irá usar técnicas analíticas sofisticadas para interpretar a informação do biobanco e descobrir padrões nos dados genéticos e fornecer toda a logística informática ao projecto.

O orçamento exacto disponível para o estudo irá depender do número de kits vendidos ao público. Os lucros líquidos serão devolvidos à investigação e para um "projecto legado" de apoio às populações indígenas. Toda a informação será pública e não será patenteada, conclui Wells.

Rotas migratórias humanas

  • O mapa mostra as primeiras rotas migratórias tomadas pelos humanos, com base em análises aos diferentes tipos de cromossoma Y. Adam (Adão) representa o ancestral comum a partir do qual todos os cromossomas Y descendem. Resultados baseados em testes de DNA recolhido de 10000 indivíduos de populações indígenas de todo o mundo. Fonte: The Genographic Project

  •  

     

    Saber mais:

    The Genographic Project

    National Geographic

    Waitt Family Foundation

    Journey Of Man

     

     

    Comentar esta notícia           Imprimir

     

    Recebeu este boletim através de um amigo??

    Faça a sua própria subscrição aqui!!

    Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

    @ Born to be Wild & À Descoberta da Vida, 2005


    Return to Archives

    Newsletter service by YourWebApps.com