2005-03-26

Subject: Sucesso na reprodução do kakapo

News of the Wild

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the  Wild

Este boletim é mantido pelo site Born to be Wild, em colaboração com o site educativo À Descoberta da Vida,              para que não esqueça o seu lado selvagem ...

 

Em destaque:

Sucesso na reprodução do kakapo 

 

  Questões ou comentários para: borntobewild@sapo.pt

Dê os sites Born to be Wild/À Descoberta da Vida a conhecer a um amigo!!

Numa solitária ilha ao largo da ponta sul da Nova Zelândia, três kakapos nasceram. Estes juvenis elevam o efectivo total de uma das espécies de ave mais raras do mundo para 86.

O criticamente ameaçado kakapo, um papagaio nocturno verde, gorducho e com intenso odor almiscarado, que não voa mas trepa às árvores, está actualmente confinado às ilhas ao largo da costa da Nova Zelândia, embora em tempos tenham prosperado em toda o país, do nível do mar ao alto das montanhas.

Dizimados por predadores introduzidos, a população de kakapos reduziu-se a apenas 51 em meados dos anos 90 do século passado, mas um programa intensivo de conservação tem aumentado o seu número nos últimos anos.

Há três anos, nasceram 24 kakapos Strigops habroptilus, mas no ano passado três deles morreram de infecção no sangue. Esta estação de procriação, graças a um fornecimento da sua comida preferida, o fruto da árvore rimu, foram postos 25 ovos.

Desses, 10 foram fertilizados, três já chocaram e cinco mais devem conter crias. "O máximo que poderemos obter são 10 crias mas isso já é ser demasiado optimista", diz Graeme Elliott, cientista do Department of Conservation em Whenua Hou/Codfish Island, o porto de abrigo do kakapo no sul da Nova Zelândia. "Dois dos ovos não parecem bem, os embriões devem ter morrido mas não queremos correr riscos e vamos deixá-los chocar um pouco mais."

Para garantir que o máximo de ovos e crias sobrevive, os cuidados são rigorosos. Todas as noites cada ninho tem duas ou três pessoas acampadas em volta, de guarda. Sempre que a mãe kakapo deixa o ninho, um feixe de infravermelhos alerta os voluntários.

"Se a ave sai do ninho, esperamos um pouco e vamos colocar uma espécie de cobertores eléctricos no ninho, para que os ovos se mantenham quentes", diz Elliott.

 

Os vigilantes também observam a saúde dos kakapos. "A ideia é observar se estão a ter atitudes fora do vulgar, a coçar-se muito ou se têm parasitas", diz Elliott. "Já perdemos ovos devido a aves que tinham excesso de parasitas."

O fruto da rimu parece ser crucial para o kakapo, que tem uma capacidade reprodutora baixa, mas este Verão o Department of Conservation também está a testar uma dieta de outros frutos verdes ou não maduros. 

Metade das fêmeas adultas e alguns dos machos inferiores geneticamente foram alimentados com nozes verdes e as restantes com pinhões verdes. Mas, diz Elliott, a frutificação da rimu mascara o impacto dos suplementos alimentares.

"Há um pequeno indício de que o suplemento pode ter ajudado pois este ano usámos a menor quantidade de rimu com que tivemos reprodução", diz ele. "Mas é apenas o tipo de reprodução que temos normalmente com uma frutificação baixa."

Seja como for, se as três novas crias já nascidas e as cinco que se espera nasçam nas próximas semanas sobreviverem, a população mundial de kakapos será a maior desde há 25 anos. 

 

 

Saber mais:

Infecção mata papagaios ameaçados

DoC New Zealand

Strigops habroptilus - IUCN Red List

Kakapo Recovery Programme

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

@ Born to be Wild & À Descoberta da Vida, 2005


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com