2005-03-07

Subject: United Cruelty of Benetton?

News of the Wild

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the  Wild

Este boletim é mantido pelo site Born to be Wild, em colaboração com o site educativo À Descoberta da Vida,              para que não esqueça o seu lado selvagem ...

 

Em destaque:

United Cruelty of Benetton?

 

  Questões ou comentários para: borntobewild@sapo.pt

Dê os sites Born to be Wild/À Descoberta da Vida a conhecer a um amigo!!

Entre hoje e quarta-feira, activistas dos direitos do animais vão protestar, em Lisboa e no Porto, contra as atrocidades cometidas pela Benetton contra as ovelhas.

Esta acção está integrada no movimento mundial “Mês de Acção Contra a Benetton”, organizado pela organização americana de defesa dos direitos dos animais PETA, com o objectivo de alertar os retalhistas para a as terríveis mutilações que as ovelhas australianas sofrem.

De olhos vendados e empunhando cartazes com as palavras de ordem “Benetton: Blind to Animal Suffering” – “Benetton: Cega ao Sofrimento dos Animais”, membros da ANIMAL e da PETAPeople for the Ethical Treatment of Animals  vão protestar no exterior das lojas da Benetton no Porto e em Lisboa. 

Durante o protesto serão entregues panfletos informativos aos potenciais consumidores, divulgando informação sobre as atrocidades cometidas contra os cordeiros e ovelhas pela indústria australiana da lã. A acção integra-se numa campanha internacional destinada a incentivar as cadeias de retalhistas a parar a venda de roupa fabricada com lã australiana até que a abominável prática denominada “mulesing” (esfolamento em vida) e a exportação de ovelhas vivas sejam proibidas.

Faça ouvir a sua voz em defesa dos animais e junte-se a estas acções de protesto: no Porto, hoje (8 de Março), entre as 12:30 e as 13:30, em frente à loja da Benetton na Rua de Santa Catarina, 181 e em Lisboa, 4.ª FEIRA (9 de Março), entre as 12:30 e as 13:30, em frente à loja da Benetton na Rua Garret (Chiado), 83/93.

Isto é mulesing!O “mulesing” é uma cruel mutilação: os criadores de gado australianos utilizam tesouras de jardinagem para retirar pele e carne dos cordeiros sem o uso de qualquer anestesia. Trata-se de uma forma barata de evitar a infestação de larvas, embora se pudessem aplicar métodos de controlo mais éticos e sofisticados. 

O mulesing envolve a remoção de pele coberta de pêlo (lã) da área genital e anal. Quando os cortes saram, a pele naturalmente nua em volta da vulva e do ânus é alargada, o que reduz a humidade causada pelo suor e por manchas de urina e fezes, minimizando a susceptibilidade de infestação por larvas de mosca.

Estes procedimentos foram-se tornando cada vez mais radicais, resultando, nas fêmeas, num tal esticar dos tecidos após a cicatrização que os lados da vulva são repuxados, expondo mucosas sensíveis e aumentando a incidência de cancro da vulva. 

Durante o procedimento geralmente também a cauda é cortada, total ou parcialmente, e sem a sombra por ela providenciada o problema do cancro da vulva torna-se ainda mais pronunciado.

Tiveram início em 1977 estudos para reduzir a incidência de cancro da vulva em consequência do mulesing, tendo-se concluído que a manutenção da cauda seria a melhor saída. No entanto, rapidamente se tornou aparente que a cauda longa mas esfolada (sem pele produtora de lã) era altamente susceptível a queimaduras solares que poderiam conduzir em muitos casos a cancro da pele.

Para além do sofrimento enquanto produzem lã em quantidade, quando são consideradas velhas milhões de ovelhas são enviadas para o Médio Oriente enfrentando condições climatéricas extremas, a bordo de navios de vários andares e de convés aberto.

Muitas ovelhas doentes e feridas, tratadas como simples mercadoria, são atiradas borda fora ou trituradas vivas em máquinas de maceração. As sobreviventes desta viagem ao inferno morrem degoladas quando ainda estão totalmente conscientes. 

Após anos de pedidos ao governo australiano para que termine com estas atrocidades, a PETA anunciou um boicote internacional à lã australiana em Outubro de 2004, tendo já obtido o apoio dos retalhistas de prestígio Abercrombie & Fitch, nos EUA, e George and New Look, no Reino Unido. A ANIMAL está a ajudar no lançamento da campanha em Portugal.

 

“As 'cores unidas' da Benetton estão a tornar-se vermelho-sangue”, afirma o Director de Campanhas Europeias da PETA Europa, Sean Gifford. “Se a Benetton quiser lavar o sangue de milhões de ovelhas das suas mãos, terá de se recusar a vender roupa fabricada com lã australiana.”

A PETA apela aos consumidores que boicotem a Benetton até que a empresa se comprometa a parar de utilizar lã australiana. Estamos a bombardear a Benetton com anúncios e protestos em todo o mundo, com vista a alertar o público para o apoio dado pela empresa à crueldade. 

 

Outras Notícias:

Mitos e factos acerca do "mulesing"

MITO: sem não se praticasse o mulesing morreriam mais de 3 milhões de ovelhas por ano devido às larvas de mosca.

FACTO: Posto desta maneira, parece que as opções são "mutilação ou morte". Pelo menos 20% dos criadores australianos contornam este problema tosquiando a zona genital mais frequentemente, colocando armadilhas para as moscas e seleccionando ovelhas de pele menos enrugada. O mulesing não é garantido pois não impede a infestação no resto do corpo, é apenas a forma mais barata, para quem não quer perder muito tempo a tratar das suas ovelhas.

MITO: A Austrália está no topo da lista de países com melhores práticas de criação de animais e tem demonstrado que o bem-estar animal é uma prioridade.

FACTO: Recusando práticas mais humanas para tratar das suas ovelhas, a industria de lã australiana demonstra que tenta continuar a seguir as regras mínimas exigidas pelo governo, pelo menos enquanto a indignação popular assim o permitir.

MITO: O mulesing não é uma coisa assim tão má, só se tira um pouco de pele do lombo, as ovelhas só ficam um pouco doridas mas por pouco tempo.

FACTO: O nível de dor e perturbação é elevado nas ovelhas sujeitas a mulesing, não só durante mas também muito após o procedimento. Como herbívoros que são, as ovelhas mantêm-se sossegadas quando feridas e em sofrimento, para evitar atrair predadores mas há indicadores comportamentais e fisiológicos de que o sofrimento é real. As concentrações de cortisol e beta-endorfinas no plasma, por exemplo, são bons indicadores de stress e mantêm-se elevadas por vezes até 113 dias após o procedimento.

MITO: O objectivo da PETA com a sua campanha anti-mulesing é acabar com a industria australiana da lã.

FACTO: A PETA apenas pretende reduzir o sofrimento das ovelhas, acabando com o mulesing e a exportação de animais vivos sem condições. Campanhas semelhantes já foram realizadas e encerradas quando Burger King e McDonald’s, por exemplo, aumentaram o grau de bem-estar dos animais que utilizam.

 

 

Saber mais:

Associação Animal

United Cruelty Of Benetton

PETA

Mulesing e exportação em vida (contém imagens chocantes)

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

@ Born to be Wild & À Descoberta da Vida, 2005


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com