2005-03-01

Subject: Óvulos desenvolvidos em testículos

News of the Wild

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the  Wild

Este boletim é mantido pelo site Born to be Wild, em colaboração com o site educativo À Descoberta da Vida,              para que não esqueça o seu lado selvagem ...

 

Em destaque:

Óvulos desenvolvidos em testículos

 

  Questões ou comentários para: biologia@sapo.pt

Dê os sites Born to be Wild/À Descoberta da Vida a conhecer a um amigo!!

Dizer que os óvulos apenas são produzidos por fêmeas e que os espermatozóides só se formam em machos não parece muito controverso mas investigadores japoneses mostraram que a coisa não é assim tão simples, pois fizeram amadurecer óvulos em testículos de rato.

Num embrião de rato em crescimento, as células que vão originar as gónadas, conhecidas por células germinativas, são semelhantes em ambos os sexos.

Nos machos, um gene presente no cromossoma Y, designado Sry, torna-se activo mais ou menos a meio do período de gestação e comanda estas células indecisas a formarem testículos produtores de espermatozóides. As fêmeas não apresentam nem cromossoma Y nem gene Sry, pelo que, por defeito, desenvolvem ovários e óvulos.

Mas o que acontece se tivermos uma célula germinativa feminina rodeada de células masculinas? Será ela influenciada pelos sinais masculinos à sua volta e produzirá espermatozóides ou seguirá o seu próprio caminho genético e tornar-se-á um óvulo?

Masaru Okabe da Universidade de Osaka esperava que o primeiro cenário fosse o real mas para ter a certeza juntou células de embriões femininos e masculinos, permitindo que os embriões quiméricos se desenvolvessem em ratos.

Tal como sugeriam estudos anteriores, a maioria das células femininas que cresciam em testículos abandonaram o seu legado genético e sofreram as primeiras etapas do desenvolvimento espermático.

Okabe descobriu que os sinais das células com um gene Sry activo em redor desencadearam nas células femininas um padrão de actividade genética normalmente apenas encontrado em células masculinas.

Mas algumas das células femininas que estavam alojadas em testículos desenvolveram-se, parcialmente, em óvulos, relatam os investigadores na última edição da revista Proceedings of the National Academy of Sciences.

 

Os óvulos eram capazes de se fundir com espermatozóides mas não davam origem a embriões. "Foi uma grande surpresa", diz Okabe, que baptizou estas células "óvulos testiculares".

Os óvulos testiculares não são totalmente novos. Um estudo realizado há 25 anos relatou que óvulos pareciam crescer em ratos macho, mas este relato foi apenas baseado na forma e tamanho das células. O estudo de Okabe é o primeiro a usar técnicas de genética moderna para confirmar que as células são geneticamente femininas.

A ideia de óvulos a crescer em testículos é um conceito interessante, comenta Wolf Reik, que estuda o desenvolvimento de óvulos e espermatozóides no Instituto Babraham de Cambridge, Reino Unido. Ele suspeita que os óvulos são capazes de se desenvolver porque crescem numa pequena bolsa de células femininas no interior do testículo.

Os investigadores esperam que os seus estudos ajudem os cientistas a compreender o que corre mal quando se desenvolvem testículos em pacientes com doenças cromossómicas sexuais. 

No caso do síndroma de Klinefelter, por exemplo, os machos transportam um cromossoma X adicional e as células germinativas desaparecem. Okabe considera que os ratos quiméricos podem ajudar a explicar exactamente o que acontece a essas células e porquê.

 

 

Saber mais:

Machos produzem óvulos no Potomac

Poderá a menopausa ser vencida?

Ovários podem produzir novos óvulos ao longo da vida

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

@ Born to be Wild & À Descoberta da Vida, 2005


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com