2005-02-27

Subject: Cobras apontam aos olhos com precisão quase perfeita

News of the Wild

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the  Wild

Este boletim é mantido pelo site Born to be Wild, em colaboração com o site educativo À Descoberta da Vida,              para que não esqueça o seu lado selvagem ...

 

Em destaque:

Cobras apontam aos olhos com precisão quase perfeita

 

  Questões ou comentários para: borntobewild@sapo.pt

Dê os sites Born to be Wild/À Descoberta da Vida a conhecer a um amigo!!

Katja Tzschätzsch, estudante da Universidade de Bona na Alemanha, demonstrou que que a cobra cuspideira vermelha de Moçambique e a cobra cuspideira de pescoço negro apontam deliberadamente aos olhos de quem as ameaça. Estes resultados não foram uma surpresa para os peritos.

"Que eu saiba não tem havido muita investigação sobre se as cobras realmente apontam aos olhos. A maioria das evidências é mais do tipo anedótico", diz Bill Altimari, herpetologista do Arizona-Sonora Desert Museum. "Mas ficaria surpreendido se alguém neste campo pensasse de outra maneira. Os nossos tratadores do zoo de Filadélfia, onde já trabalhei, usavam sempre máscaras."

Mas se todos sabem a resposta, porque fazer a pergunta em primeiro lugar?

"Era necessário demonstrar que era realmente assim para se poder fazer a pergunta seguinte: como é que as cobras identificam os olhos em diferentes animais e mesmo no Homem?", explica Guido Westhoff, o professor que supervisionou o trabalho de Tzschätzsch.

Katja Tzschätzsch usou quatro cobras cuspideiras vermelhas de Moçambique e seis cuspideiras de pescoço negro e durante as experiências esteve perante elas apenas protegida por um visor de plástico.

Registou o processo de cuspir veneno com uma câmara de alta velocidade. Uma das suas primeiras descobertas foi que as cobras apenas cospem para faces em movimento, movimentos de mãos não causavam reacção. 

A avaliação dos vestígios de veneno no visor revelou até que ponto a pontaria de cada espécie é rigorosa. A pescoço negro atinge pelo menos um olho em 8 de 10 vezes e as vermelhas atingem o alvo todas as vezes.

O cocktail de toxinas do veneno inclui neurotoxinas e outros componentes danosos para os tecidos. A córnea sensível reage com uma dor lancinante que, em alguns casos, pode levar à cegueira. A lição é clara: se alguma vez enfrentar uma cuspideira (cobras comuns em África e na Ásia) recue para pelo menos 3 metros de distância e proteja os olhos.

"Quando a cobra contrai a sua glândula de veneno, uma pequena porção é lançada a alta pressão. Quando o veneno atinge a presa e o orifício que contém é lançado para cima e para fora", explica Altimari.

"A cobra cospe veneno sobre tudo o que for maior que ela e devora tudo o que for mais pequeno", diz Dino Ferri, presidente o grupo de aconselhamento para a classificação de cobras da American Zoo and Aquarium Association.

 

"Não é a melhor forma de aplicar o veneno", diz Altimari. "Há um risco importante para a cobra em ter que se aproximar tanto da presa. mesmo uma ratazana pode morder e matar a cobra, mesmo que depois morra."

Por causa desta vulnerabilidade, as cuspideiras desenvolveram um elaborado sistema para parecerem maiores e intimidarem todos os que consideram uma ameaça. Para manter o perigo à distância, as cobras como as capelo levantam-se e expandem a zona lateral da cabeça. E, claro, algumas delas podem cuspir.

Dependendo do tamanho da cobra, os peritos referem que o veneno, ejectado a uma velocidade comparável à de uma pistola de água, pode atingir até 2,4 metros. "É suficientemente rápido para uma pessoa não lhe conseguir fugir", diz Altimari.

Para as cobras com essa capacidade, cuspir veneno parece ser uma resposta fortemente instintiva, pois Westhoff foi uma vez atingido por uma cobra bebé enquanto saia do ovo.

"Estava a verificar os ovos que estavam a chocar", recorda ele. "Bastaram os leves movimentos da minha cabeça para induzir as cobras que já tinham emergido do ovo a olhar para mim. Uma das que ainda estava a sair do ovo chegou mesmo a cuspir-me."

"Cuspir veneno é uma característica altamente evoluída e se não for para atingir os olhos, para que serviria?", refere Altimari. "Veneno na pele não irá deter uma ameaça, mas se atingir os olhos e queimar, causar uma dor excruciante imediatamente, então a ameaça vai fugir certamente."

 

 

Saber mais:

University of Bonn

National Geographic - Interactive King Cobra

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

@ Born to be Wild & À Descoberta da Vida, 2005


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com