2005-01-25

Subject: Células estaminais humanas desencadeiam reacção imunitária

News of the Wild

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the  Wild

Este boletim é mantido pelo site Born to be Wild, em colaboração com o site educativo À Descoberta da Vida,             para que não esqueça o seu lado selvagem ...

 

Em destaque:

Células estaminais humanas desencadeiam reacção imunitária 

 

  Questões ou comentários para: biologia@sapo.pt

Dê os sites Born to be Wild/À Descoberta da Vida a conhecer a um amigo!!

 

A maioria das linhagens de células estaminais embrionárias humanas podem ser, afinal, inúteis para aplicações terapêuticas. O sistema imunitário provavelmente vai atacá-las, revelam cientistas americanos.

Quando células estaminais embrionárias são adicionadas a soro retirado de sangue humano, os anticorpos aderem às células. Este facto sugere que as células estão a ser consideradas estranhas ao organismo, e transplantá-las para o corpo de uma pessoa iria desencadear uma reacção imunitária e a sua rejeição.

"Encontrámos um problema extremamente sério", diz Ajit Varki, ujm biólogo celular da Universidade da Califórnia em San Diego.

A dificuldade deriva da forma como as células estaminais embrionárias humanas são cultivadas e mantidas vivas em laboratório. Os cientistas cultivam-nas em caixas de Petri contendo um caldo nutritivo e outras células, que alimentam as células estaminais e lhes fornecem suporte.

As células de apoio são geralmente células embrionárias de rato e o caldo nutritivo quase sempre contém soro animal. Estas células de rato contém na sua superfície uma molécula designada ácido N-glicolilneuraminico ou, abreviadamente Neu5Gc. 

A equipa de Varki já tinha descoberto que as células estaminais embrionárias humanas absorviam o Neu5Gc, mas agora mostraram que o sistema imunitário humano reage contra ele. Uma alimentação baseada em carne vermelha e produtos à base de leite levou à sensibilização das pessoas contra esta molécula, diz Varki. 

Já há algum tempo que os cientistas se preocupavam com o risco do cultivo de células estaminais embrionárias humanas em presença de compostos de origem animal. "Agora identificámos uma razão real para esta preocupação", diz Fred Gage, neurobiólogo do Salk Institute for Biological Studies em La Jolla, Califórnia, e um dos membros desta equipa.

 

Esta situação não quer dizer que todas as linhagens celulares devam ser abandonadas. "Não estamos a dizer que todas as linhagens disponíveis devam ser deitadas fora", diz Gage. No entanto, continua ele, "temos que tomar precauções quando utilizarmos estas células em métodos terapêuticos". 

A equipa de Varki não testou todas as 22 linhagens de células estaminais existentes nos Estados Unidos antes da proibição da criação de novas, agora em vigor, mas o mecanismo de absorção do Neu5Gc é universal e todas as linhagens americanas devem ter sido expostas a materiais de origem animal. "É difícil para mim imaginar que outras linhagens não testadas estejam livres desta contaminação", diz Varki.

As linhagens de células estaminais actuais têm pouco interesse clínico, mas não se trata de um impedimento para a investigação básica deste tema, diz James Battey, presidente da equipa de estudo de células estaminais do National Institute of Health. Na realidade, estas linhagens podem ajudar no desenvolvimento de condições de cultura e manutenção de células estaminais embrionárias humanas, minimizando os riscos de segurança, diz ele.

Até que condições de cultura melhores sejam estabelecidas, explica Battey, um grupo na Suécia com células estaminais que nunca estiveram expostas a compostos animais irá manter as suas células congeladas e indisponíveis para utilização. 

 

 

Saber mais:

National Institutes of Health stem cell information

Biologists come close to cloning primates

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

Respeitar os animais é respeitarmo-nos a nós próprios!

@ Born to be Wild & À Descoberta da Vida, 2005


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com