2005-01-18

Subject: Como ser desmazelado pode ajudar a ser saudável

News of the Wild

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the  Wild

Este boletim é mantido pelo site Born to be Wild, em colaboração com o site educativo À Descoberta da Vida,             para que não esqueça o seu lado selvagem ...

 

Em destaque:

Como ser desmazelado pode ajudar a ser saudável

 

  Questões ou comentários para: biologia@sapo.pt

Dê os sites Born to be Wild/À Descoberta da Vida a conhecer a um amigo!!

 

Não fazer a cama de manhã pode, afinal, ajudar a manter-nos mais saudáveis, acreditam os cientistas. A investigação sugere que apesar da cama por fazer parecer desmazelo, também se torna menos atraente para os ácaros do pó, que se pensa serem responsáveis pela asma e alergias.

Um estudo da Universidade de Kingston descobriu que os ácaros não sobrevivem nas condições de temperatura amena e baixa humidade de uma cama por fazer. 

Uma cama média é geralmente lar para 1,5 milhões de ácaros do pó, com menos de 1 mm de comprimento. Estes animais alimentam-se das escamas de pele humana que perdemos todos os dias e produzem alergénios facilmente inalados durante o sono.

As condições de calor e humidade criadas na cama ocupada são ideais para os ácaros mas estes têm muito mais dificuldades quando a humidade é reduzida. 

Os cientistas criaram um modelo de computador para avaliar de que forma as alterações de condições numa casa podem reduzir o número de ácaros do pó presentes nas camas.

O investigador Stephen Pretlove explica: "Sabemos que os ácaros apenas sobrevivem retirando água da atmosfera através de pequenas glândulas na superfície do corpo. Algo tão simples como deixar a cama por fazer durante o dia pode retirar a humidade dos lençóis e colchão de forma a que os ácaros desidratam e morrem."

Na próxima etapa da sua investigação, os cientistas estão a introduzir grupos de ácaros nas camas de 36 casas em todo o Reino Unido, para testar o seu modelo de computador e investigar de que forma a rotina diária das pessoas afectam as populações destes animais.

Características dos edifícios, como aquecimento central, ventilação e isolamento também irão ser alteradas para avaliar a reacção dos ácaros.

 

Pretlove considera que este estudo pode, potencialmente, reduzir as £700 milhões gastas no tratamento de doenças causadas pela presença de ácaros em cada ano, só no Reino Unido.

"As nossas descobertas podem ajudar os construtores e desenhadores de edifícios a criar casas mais saudáveis e os especialistas de saúde a localizar ambientes que apresentam um risco acrescido de ácaros."

Matt Hallsworth, da organização Asthma UK, refere: "Os alergénios dos ácaros do pó podem ser muito importantes no desencadear de crises em muitas pessoas com asma, mas é um factor que tem sido notoriamente difícil de contornar."

O professor Andrew Wardlaw, da British Society for Allergy and Clinical Immunology, concorda. "Os ácaros são muito importantes em doenças como a asma e a alergia, seria óptimo se pudéssemos encontrar formas de alterar as condições das casas para reduzir a concentração de ácaros." 

"É verdade que os ácaros necessitam de humidade para florescer e morrem em condições de grande secura, como nos desertos. No entanto, a maioria dos lares do Reino Unido são suficientemente húmidos para os ácaros se darem bem, pelo que me parece pouco provável que algo tão simples como não fazer a cama tenha algum impacto na humidade geral do local."

 

 

Saber mais:

Kingston University

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

Respeitar os animais é respeitarmo-nos a nós próprios!

@ Born to be Wild & À Descoberta da Vida, 2005


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com