2005-01-11

Subject: Gene dá pista para a origem da SIDA no Homem

News of the Wild

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the  Wild

Este boletim é mantido pelo site Born to be Wild, em colaboração com o site educativo À Descoberta da Vida,             para que não esqueça o seu lado selvagem ...

 

Em destaque:

Gene dá pista para a origem da SIDA no Homem

 

  Questões ou comentários para: borntobewild@clix.pt

Dê os sites Born to be Wild/À Descoberta da Vida a conhecer a um amigo!!

 

Os cientistas dizem ter descoberto uma importante pista para a compreensão da origem da pandemia da SIDA. Localizaram diferenças cruciais entre um gene encontrado nos macacos Rhesus, onde pode impedir a infecção pelo HIV, e o correspondente gene humano, que não consegue evitar a infecção.

Parece que uma única alteração no gene humano seria o suficiente para activar o bloqueio da infecção pelo HIV. O estudo, realizado pelo National Institute for Medical Research, foi agora publicado na revista Current Biology.

Os cientistas acreditam que o seu trabalho indica que o HIV não se teria estabelecido na população humana se o Homem transportasse a mesma versão do gene que pode ainda ser encontrada nos macacos Rhesus.

O investigador principal Jonathan Stoye refere: "Esta descoberta tem implicações significativas para o desenvolvimento de uma terapia génica eficaz para o combate contra a SIDA. Em teoria, pode ser possível retirar células de um indivíduo infectado com HIV, torná-las resistentes a essa infecção modificando este gene e reintroduzi-las no paciente. Estas células poderiam, então, bloquear o avanço da SIDA. Alternativamente, poderíamos estudar novas drogas que activassem o gene humano contra o HIV."

Christopher Gadd, editor do HIV & AIDS Treatments Directory, comenta: "O mais excitante deste estudo é que os investigadores descobriram que alterando apenas um aminoácido de uma proteína pode-se passar de uma célula susceptível de infecção para uma célula praticamente imune, a longo prazo, à infecção pelo HIV."

"No entanto, é importante realçar que quaisquer benefícios terapêuticos que possam ser desenvolvidos a partir desta descoberta, é pouco provável que tenham algum impacto antes de uns bons anos. Este tipo de terapia génica envolveria a recolha de glóbulos brancos dos pacientes, a sua clonagem e modificação por engenharia genética, antes da sua reintrodução no paciente de forma personalizada. Apesar de teoricamente possível, é pouco provável que, com a tecnologia actual, seja prática ou tenha custos aceitáveis."

Jo Robinson, especialista no tratamento da SIDA do Terrence Higgins Trust concorda que a terapia génica é uma abordagem prometedora, que pode trazer resultados a longo prazo. "Mas temos que salientar que apesar deste tipo de investigação ser importante, ainda estamos muito longe de uma aplicação prática aos infectados com o HIV. Continuamos a não ter uma cura nem uma vacina contra a SIDA."

De acordo com os números mais recentes da UNAIDS, no final de 2004, 39,4 milhões de pessoas em todo o mundo (37,2 milhões de adultos e 2,2 milhões de crianças menores de 15 anos) vivem neste momento com o HIV ou com a SIDA. 

 

Outras Notícias:

Amizade sem fronteiras de espécie

 

Mzee e Owen Um hipopótamo bebé salvo das cheias no Quénia tornou-se o melhor amigo de uma tartaruga com mais de 100 anos. 

O bebé Owen, com um ano de idade, foi encontrado sozinho e desidratado por agentes de protecção da natureza nas praias do Índico. Foi transportado para um santuário da vida selvagem na cidade de Mombasa e tornou-se imediatamente amigo de um macho de tartaruga que lá habitava.

De acordo com os funcionários do parque, "comem juntos, dormem juntos, são realmente inseparáveis". "Desde que o Owen chegou, a 27 de Dezembro, a tartaruga comporta-se como se fosse a sua mãe", diz a gerente do Haller Park, Pauline Kimoti.

"O hipopótamo, por sua vez, segue a tartaruga por todo o lado e lambe-lhe a face", diz ela. A tartaruga chama-se Mzee, a palavra Swahili para "homem velho". 

O santuário, localizado no que antes foi uma fábrica de cimento, planeia, eventualmente, pedir a ajuda do Serviço de Fauna Selvagem do Quénia para colocar Owen junto a Cleo, uma fêmea solitária numa zona separada.

Este é apenas o último caso de uma série de estranhas amizades que têm deleitado e surpreendido os zoólogos do Quénia. Em 2002, uma leoa no Samburu National Park adoptou uma sucessão de órix bebés. 

 

 

Saber mais:

Descoberto gene que combate o HIV

HIV bloqueado em macacos

National Aids Manual

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

Respeitar os animais é respeitarmo-nos a nós próprios!

@ Born to be Wild & À Descoberta da Vida, 2005


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com