2005-01-03

Subject: Dormir mais cedo marca o final da adolescência

News of the Wild

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the  Wild

Este boletim é mantido pelo site Born to be Wild, em colaboração com o site educativo À Descoberta da Vida,             para que não esqueça o seu lado selvagem ...

 

Em destaque:

Dormir mais cedo marca o final da adolescência

 

  Questões ou comentários para: borntobewild@clix.pt

Dê os sites Born to be Wild/À Descoberta da Vida a conhecer a um amigo!!

 

Todos sabemos que os adolescentes detestam levantar-se cedo de manhã mas serão eles apenas preguiçosos ou há uma razão biológica para esse facto?

Um estudo europeu sobre os hábitos de sono de 25000 pessoas fornece agora fortes evidências de que a biologia é realmente a culpada. 

Enquanto as crianças começam a dormir cada vez mais tarde à medida que vão crescendo, todos sofremos uma alteração abrupta nos padrões de sono por volta dos 20 anos, altura em que começamos a dormir mais cedo novamente.

A alteração é tão súbita que os investigadores sugerem que pode ser usada para assinalar oficialmente o fim da adolescência. 

Todos passamos pelas fases da puberdade e adolescência antes de atingirmos a fase adulta. Ambos os períodos se iniciam com o amadurecimento dos sistemas reprodutores.

Os cientistas concordam que a puberdade termina quando o crescimento ósseo pára, ou seja, por volta dos 16 anos nas raparigas e aos 17,5 anos nos rapazes. Mas o final da adolescência, um conceito parte social, parte psicológico e parte fisiológico, sempre foi bem menos claro.

As nossas fases de sono e vigília são reguladas por um relógio interno. Cada ciclo dura cerca de 24 horas, mas os tempos exactos variam de indivíduo para indivíduo. Pessoas com ciclos particularmente matutinos, conhecidas por "cotovias" (larks em inglês), têm tendência para ir para a cama cedo e acordar cedo, enquanto as que têm ciclos vespertinos (corujas, ou owls em inglês) tendem a ser mais activas à noite e a dormir até tarde de manhã.

Para investigar como varia este padrão ao longo da vida, Till Roenneberg da Universidade de Munique perguntou a 25000 pessoas, com idades entre os 8 e os 90 anos, uma série de questões acerca da hora a que se deitavam e a que acordavam.

 

Destes dados, os investigadores calcularam o "ponto médio" do sono de cada pessoa, ou seja, o meio do intervalo entre a hora a que se deitam e a hora a que se levantam, em dias em que não tinham obrigações de trabalho.

Quando relacionaram o ponto médio com a idade, os investigadores descobriram que as crianças tendem a dormir mais tarde à medida que vão crescendo, até que atingem cerca de 20 anos. Nessa idade há uma alteração abrupta dos hábitos de sono e o ponto médio volta a ser cada vez mais cedo.

Roenneberg diz que não pode provar que a alteração seja devida por factores comportamentais ou ambientais. "Será que os adolescentes dormem mais tarde porque vão para a discoteca ou vão para a discoteca porque dormem mais tarde?", pergunta ele.

Mas acredita que a abrupta alteração sugere uma causa biológica. "Esta é a primeira vez que fomos capazes de localizar o final da adolescência", diz ele.

Salienta que a localização da alteração também reflecte a tendência geral das fêmeas se desenvolverem mais cedo que os machos. As mulheres do estudo que dormiam mais tarde tinham 19,5 anos, enquanto os homens dormiam cada vez mais tarde até ais 20,9 anos.

"Um marcador objectivo como este pode ser muito útil para uma variedade de doenças", diz Russell Foster, cronobiólogo do Imperial College de Londres. Doenças mentais como a esquizofrenia ou a doença bipolar são, frequentemente, acompanhadas fases de sono retardadas, salienta ele.

Ele sugere mesmo que pode ser de grande interesse investigar se variações no momento desta alteração de padrão de sono poderão ser usadas para localizar o desenvolvimento deste tipo de doença numa fase muito precoce. 

 

 

Saber mais:

Are you a lark or an owl?

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

Respeitar os animais é respeitarmo-nos a nós próprios!

@ Born to be Wild & À Descoberta da Vida, 2005


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com