2004-12-19

Subject: O canto dos pardais ilustra funcionamento da memória

News of the Wild

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the  Wild

Este boletim é mantido pelo site Born to be Wild, em colaboração com o site educativo À Descoberta da Vida,             para que não esqueça o seu lado selvagem ...

 

Em destaque:

O canto dos pardais ilustra funcionamento da memória

 

  Questões ou comentários para: borntobewild@clix.pt

Dê os sites Born to be Wild/À Descoberta da Vida a conhecer a um amigo!!

 

Os pardais de cabeça branca podem formar uma canção inteira a partir de pequenos excertos que vão ouvindo, descobriram os cientistas. 

A descoberta pode ajudar a estabelecer a forma como a memória funciona no Homem, especialmente em relação à aprendizagem de linguagens novas.

O professor Gary Rose, da Universidade do Utah, descobriu que os pardais de cabeça branca aprendem uma canção, completa e pela ordem correcta, apesar de apenas dela ouvirem pequenos segmentos sobreponíveis. 

"A experiência foi montada de forma a determinar se as aves conseguiam ou não formar uma canção normal, ouvindo apenas componentes dessa mesma canção e sem nunca ouvir a canção inteira", explica Rose. "Pretendia-se testar se a memória da canção era composta por uma representação inteira ou composta por pequenos pedaços."

Rose ensinou as aves a cantar reproduzindo segmentos da canção duas vezes por dia. Gravou a canção original de um pardal no campo e usou um computador para a fragmentar. Quando ocorria a reprodução dos segmentos cada ave estava acusticamente isolada das restantes.

"Não teria tido grande interesse se as aves não tivessem conseguido conjugar os segmentos, mas conseguiram", diz ele. "A nossa hipótese era que, se fornecêssemos a informação acerca das ligações entre as "frases" (...) então as aves potencialmente usariam essa informação para reconstruir a canção."

 

Cada segmento terminava com uma zona que se sobrepunha ao início do segmento seguinte. Esta sobreposição era a informação que os pardais precisavam para completar toda a canção.

Rose não ficou surpreso por as aves terem alcançado o objectivo da experiência, mas sim com o facto de também terem sido capazes de aprender a canção quando reproduzida de trás para a frente, e cantarem-na correctamente.

"Isso surpreendeu-me um pouco pois todos os pardais de cabeça branca começam a cantar com um assobio e sabemos que existe uma forte predisposição para começar uma canção com um assobio. Eles fazem-no mesmo sem qualquer ensinamento", explica ele.

"Assim, juntar pedaços de uma canção ao contrário é algo altamente contra a sua tendência natural, mas embora tenha sido um pouco mais difícil, as aves conseguiram mesmo conjugar os segmentos e cantá-los ao contrário."

Segundo Rose, este facto mostra a importância fundamental dos padrões de aprendizagem iniciais. "É um assunto muito importante em neurobiologia, o papel da experiência em moldar a organização funcional do cérebro", diz ele. "É muito poderosa em muitas circunstâncias." 

 

 

Saber mais:

University of Utah

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

Respeitar os animais é respeitarmo-nos a nós próprios!

@ Born to be Wild & À Descoberta da Vida, 2004


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com