2004-11-13

Subject: Ursos castanhos migraram para sul antes do que se pensava

News of the Wild

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the  Wild

Este boletim é mantido pelo site Born to be Wild, em colaboração com o site educativo À Descoberta da Vida, para que não esqueça o seu lado selvagem ...

 

Em destaque:

Ursos castanhos migraram para sul antes do que se pensava

 

  Questões ou comentários para: borntobewild@clix.pt

Dê os sites Born to be Wild/À Descoberta da Vida a conhecer a um amigo!!

 

Os ursos castanhos migraram para sul, através do Canadá, muito antes do que se pensava, relata a revista Science. Os ursos alcançaram o Alaska entre 50000 a 100000 anos atrás, após atravessarem a ligação terrestre entre a Ásia e a América do norte. Antes sempre se pensou que uma barreira de gelo bloqueava esta rota até há cerca de 13000 anos.

Agora, novas evidências fósseis sugerem que os ursos castanhos atravessaram o Canadá há mais de 25000 anos, muito antes do gelo ter impedido a sua passagem. 

Fragmentos fossilizados de urso castanho com mais de 25000 anos foram descobertos pela primeira vez em Alberta, Canadá. Estes vestígios provam que os ursos castanhos atravessaram o Canadá antes do gelo ter fechado a passagem de Beringia, há cerca de 23000 anos (Beringia é o nome dado a uma ponte terrestre que emerge periodicamente e une a Ásia à América).

"Este é o primeiro fóssil encontrado na região com mais de 13000 anos", refere o co-autor do estudo Jaco Weinstock da Universidade de Oxford. A descoberta é particularmente importante porque esclarece inconsistências da história dos ursos castanhos.

Deslindar os seus movimentos passados tem sido uma tarefa frustrante para os investigadores. Até agora, era apenas o somatório de fragmentos que não concordavam entre si. Existiam provas claras de que os ursos tinham atravessado a ponte entre a Ásia e a América através da ponte temporária de Beringia. Continuaram a viver na região de Beringia até há cerca de 35000 anos.

Mas, até agora, o registo fóssil sugeria que os ursos não se tinham aventurado mais para sul durante milhares de anos. Os paleontologistas que buscavam fósseis de urso no Canadá e nos Estados Unidos não encontravam nada mais velho que 13000 anos.

"Devido ao facto de não se encontrar nenhum fóssil com mais de 13000 anos, todos assumiram que os ursos não tinham migrado para sul", explica Weinstock. Mas a teoria de que os ursos tinham permanecido na região de Beringia nunca foi completamente satisfatória.

Em primeiro lugar, o gelo não fechou a rota até há 23000 anos, pelo que tiveram passagem desimpedida para sul durante muitos milhões de anos. 

 

Em segundo lugar, a genética dos ursos castanhos modernos que vivem no sul do Canadá torna a teoria tradicional pouco convincente, pois aparentemente todos descendem de um clade particular de ursos, o chamado clade 4.

Evidências mitocondriais mostram que os ursos do clade 4 estavam presentes em Beringia há mais de 35000 anos, mas depois desapareceram da região, juntamente com todos os outros clades de ursos castanhos.

Quando os ursos recolonizaram a região de Beringia a partir da Ásia há cerca de 21000 anos, o clade 4 não estava entre eles, pelo que os ursos que se deslocaram para sul depois que o gelo desapareceu há 13000 anos não incluíam os ancestrais dos ursos modernos que vivem no sul do Canadá.

Se esta fosse, na realidade, a primeira grande migração para sul, os cientistas teriam grande dificuldade em explicar de que forma todos os ursos castanhos do sul do Canadá eram descendentes do clade 4. 

As novas evidências resolvem o problema, pois sugerem que os ursos do clade 4 já estavam no Canadá quando o gelo fechou a passagem há 23000 anos. No entanto, os ursos aparentemente não foram muito para sul durante um longo período de tempo, o que explica a escassez de fósseis desse período.

"Depois de atingirem o Canadá, não migraram mais para sul por qualquer razão", diz Weinstock. "Viveram mesmo na orla sul do gelo no que seria, quase de certeza, uma pequena população, mas não sabemos porquê, pois é bastante estranho."

 

 

Saber mais:

Science

Carga tóxica no Árctico prejudica ursos

Novas ameaças para os ursos do Alaska

Habitat do urso polar ameaçado

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

Respeitar os animais é respeitarmo-nos a nós próprios!

@ Born to be Wild & À Descoberta da Vida, 2004


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com