2003-11-05

Subject: Habitat do urso polar ameaçado

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do Boletim Informativo Born to be Wild, para que não esqueça o seu lado selvagem ...

 

Em destaque:

Habitat do urso polar ameaçado 

 

  Questões ou comentários para: borntobewild@clix.pt

Dê o site Born to be Wild a conhecer a um amigo!!

 

O gelo que cobre o oceano Árctico está cada vez mais fino devido ao alongar dos Verões, revelaram investigações recentes. O derreter do gelo observado nos anos mais recentes parece estar para continuar, podendo mesmo desaparecer totalmente durante os meses de Verão. Este facto coloca o habitat do urso polar em risco, pois este animal depende do gelo para caçar focas. O recuar do gelo vai acelerar igualmente os efeitos do aquecimento global no hemisfério norte. 

O estudo publicado no jornal Nature foi baseado em medições da espessura do gelo feitas pelos satélites da Agência Espacial Europeia, ERS-1 e ERS-2. Também foram utilizadas imagens de microondas de satélites americanos. 

Os resultados do satélite americano revelam que a duração do Verão tem vindo a aumentar ao longo dos últimos 25 anos. A comparação dos dados dos dois tipos de satélite mostrou uma correlação entre a duração do Verão e a perda de gelo registada. Assim, se a tendência de aumento do verão continuar, são de esperar maiores perdas no gelo, levando à sua eventual desaparição total durante o Verão árctico.

A espessura do gelo no oceano Árctico já se reduziu 40% nos últimos 40 anos, de acordo com explorações submarinas, pelo que perdas adicionais podem causar um desastre para o urso polar, que se arrisca seriamente a perder o seu habitat natural. 

As implicações a nível do aquecimento global são igualmente preocupantes: à medida que o gelo derrete, mais luz solar é absorvida em vez de reflectida de volta ao espaço, amplificando o efeito de estufa. 

No entanto, nem todos os investigadores concordam com esta interpretação dos efeitos climáticos do degelo. Modelos de computador sugerem que poderá existir uma explicação alternativa para a aparente perda de gelo marinho: alguns acreditam que alterações na circulação atmosférica levaram a uma acumulação de gelo mais a norte. 

Esses investigadores consideram que os satélites ERS não estão adequados ao estudo das zonas polares, pois não observam as áreas acima dos 81,5º norte. Esse facto implica que "falham" quase toda a zona do gelo permanente e as áreas de máximo interesse a norte da Groenlândia e Canadá. Para esclarecer essas dúvidas teremos que esperar pelo lançamento do satélite Cryosat, em 2004, cujo objectivo principal é testar a predição de que o degelo árctico se deve ao aquecimento global. 

 

 

 

Outras Notícias:

Urso polar pode extinguir-se em 100 anos

 

O urso polar pode ser levado à extinção em menos de 100 anos, pelo aquecimento global, avisam cientistas (Janeiro 2003). Estes animais dependem do gelo sobre o oceano para capturar focas e já sofrem o efeito das mudanças climáticas em zonas como a baía de Hudson, no Canadá. 

Investigações em curso apontam para o desaparecimento do gelo sobre o oceano Árctico a uma taxa até 9% por década, apontando para um mar livre de gelo lá para meados do século. 

Com este panorama, o urso polar pode desaparecer na natureza até ao final do século, se o aquecimento global não desacelerar. 

O urso polar está adaptado de forma única à sobrevivência no Árctico, sendo o maior predador terrestre e alimentando-se quase exclusivamente de focas. Usam o gelo marinho como plataforma para a captura de presas, atravessando-o constantemente a caminho das suas tocas. 

Os biólogos consideram que o urso polar Ursus maritimus, evoluiu há cerca de 200000 anos de um ancestral semelhante aos ursos castanhos. Isso não garante, no entanto, que esta espécie seja capaz de recuperar o comportamento desses ancestrais e adaptar-se a outro habitat.

Actualmente os ursos polares podem ser encontrados nas regiões do Alaska, Canadá, Rússia, Groenlândia e Noruega. As populações que vivem nos limites sul do seu território, como as da baía a de Hudson, são as mais ameaçadas, enquanto os ursos que vivem em grupos isolados mais a norte terão maiores possibilidades. 

 

 

Saber mais:   

Born to be Wild - pólos

Cryosat

Polar Bears International

Nature

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja receber o boletim Born to be Wild clique aqui!!

Respeitar os animais é respeitarmo-nos a nós próprios!

@ Born to be Wild, 2003


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com