2004-11-07

Subject: Cadeia alimentar antárctica em perigo

News of the Wild

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the  Wild

Este boletim é mantido pelo site Born to be Wild, em colaboração com o site educativo À Descoberta da Vida, para que não esqueça o seu lado selvagem ...

 

Em destaque:

Cadeia alimentar antárctica em perigo

 

  Questões ou comentários para: borntobewild@clix.pt

Dê o site Born to be Wild a conhecer a um amigo!!

 

O krill, um componente fundamental da dieta de muitas espécies antárcticas como baleias, pinguins e focas, parece estar a sofrer um declínio assustador. 

Desde os anos 70 do século passado o número destes crustáceos caiu 80% nas águas da península Antárctica, revela um estudo publicado na revista Nature.

Os crustáceos alimentam-se de algas sob o gelo, pelo que o seu desaparecimento pode estar associado ao aquecimento global, que tem reduzido a cobertura de gelo sobre o mar. Esta situação pode ter um impacto devastador na cadeia alimentar de todo o oceano Antárctico.

"O krill é uma espécie central nesta cadeia alimentar, constituindo grande parte da dieta de espécies tão variados como pinguins, focas, albatrozes e baleias", diz Angus Atkinson, do British Antarctic Survey. Atkinson e a sua equipa descobriram esta tendência de redução do efectivo de krill analisando 12000 amostras, retiradas entre 1926 e 2003.

Descobriram que o krill se concentrava no sector sudoeste da zona atlântica do oceano Antárctico, e era também nesta zona que o declínio era mais acentuado. A análise estatística que efectuaram aponta para a redução do gelo marinho como a explicação mais provável para a situação. 

Esta redução foi muito pronunciada em volta da península Antárctica, uma das três regiões com uma taxa de aquecimento mais pronunciada do todo o planeta.

 

"O krill alimenta-se das algas que se encontram na superfície inferior do gelo, que funciona como uma espécie de berçário", explica Atkinson. A península Antárctica, um local de reprodução crucial para o krill, aqueceu 2,5ºC nos últimos 50 anos, o que levou a redução espantosa do gelo marinho. Não percebemos completamente de que forma a perda de gelo marinho está associada a esse aquecimento mas acreditamos que pode estar por trás do desaparecimento do krill."

Estes dados estão de acordo com o aumento do efectivo de outros pequenos animais, característicos de águas mais quentes e menos nutritivas. 

Estas alterações têm implicações tanto científicas, como comerciais, acredita a equipa do BAS, pois o krill é cada vez mais um importante recurso para as pescas.

"Ainda não é um problema para a industria pesqueira actual porque ainda se captura uma quantidade relativamente reduzida de krill, mas espera-se que a pesca se expanda dramaticamente no futuro. Temos que seguir atentamente a situação, para podermos detectar  causa deste declínio e prever as consequências para a cadeia alimentar local." 

 

 

Saber mais:

British Antarctic Survey

Ice collapse speeds up glaciers

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim Born to be Wild clique aqui!!

Respeitar os animais é respeitarmo-nos a nós próprios!

@ Born to be Wild & À Descoberta da Vida, 2004


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com