2004-11-02

Subject: Primeiros insectos clonados

News of the Wild

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the  Wild

Este boletim é mantido pelo site Born to be Wild, em colaboração com o site educativo À Descoberta da Vida, para que não esqueça o seu lado selvagem ...

 

Em destaque:

Primeiros insectos clonados

 

  Questões ou comentários para: borntobewild@clix.pt

Dê o site Born to be Wild a conhecer a um amigo!!

 

Como se já não existissem suficientes no mundo, os cientistas tiveram sucesso na clonagem de moscas. As mocas da fruta idênticas são os primeiros insectos a ser clonados, relata a equipa canadiana que as criou.

A questão que todos colocam, diz a líder da equipa Vett Lloyd da Universidade de Dalhousie em Halifax, é porque motivo alguém quereria clonar moscas. Ela espera que os insectos, com os quais é muito mais fácil fazer experiências, ajudem a afinar os processos de clonagem em outros animais e mesmo no Homem, onde a técnica está em estudo como forma de ajuda à produção de células estaminais para uso terapêutico. 

Em clonagem, o núcleo que contém o DNA de uma célula adulta é injectado num óvulo de onde se retirou o núcleo. Actualmente, a maioria dos ratos (e outros animais clonados) morrem antes do nascimento. Pensa-se que este facto resulta de o DNA adulto não estar adequadamente "reprogramado" e não conseguir coordenar o crescimento de um embrião.

Com a utilização de moscas, os investigadores podem revelar genes que são importantes para essa reprogramação, bem como os seus homólogos em outros grupos de animais. É relativamente fácil, em moscas, desactivar a funçãod e um gene e clonar um animal adulto a partir dessas células, o que testa até que ponto esse gene é crucial para o desenvolvimento.

Se esses genes forem identificados, então, pelo menos em teoria, os embriões de mamíferos clonados podem desenvolver-se em soluções criadas especialmente, de forma a alterar a actividade desses genes e aumentar a taxa de sucesso da técnica.

Apesar de outros grupos de investigadores já terem tentado clonar insectos anteriormente, Lloyd considera que esta é a primeira vez em que houve sucesso. A equipa utilizou uma técnica ligeiramente diferente da clonagem habitual: transferiram núcleos retirados de células embrionárias, em vez de células adultas e diferenciadas.

Retiraram vários núcleos de células embrionárias de mosca e injectaram-nos num óvulo fertilizado de mosca. Das 800 tentativas iniciais, obtiveram cinco insectos adultos, segundo relatado no número desta semana da revista Genetics

Keith Latham, que estud a clonagem de ratos na Escola de Medicina da Universidade de Temple em Filadélfia, salienta que as células embrionárias são muito mais fáceis de reprogramar que as células adultas. "Não estou certo de que existam muitos paralelos próximos com o que se passa em mamíferos", diz ele. Lloyd reconhece a pertinência da crítica e revela que a sua equipa está a trabalhar na criação de clones a partir de células diferenciadas de mosca. 

 

Outras Notícias:

Dubai cria aves ameaçadas em cativeiro

 

O jardim zoológico do Dubai foi o primeiro a ter sucesso na reprodução em cativeiro do corvo marinho de Socotra. Esta ave é indígena da península arábica e está ameaçada pelo desenvolvimento imobiliária nas ilhas que, tradicionalmente, são o seu habitat.

A espécie retira o seu nome da ilha, pertencentes ao Yemen, de Socotra, localizadas ao largo da costa da Somália e 95% do seu efectivo mundial vive em volta da península arábica. 

No entanto, o intenso desenvolvimento das regiões costeiras, como as ilhas Hawar do Bahrain, Khor al-Bidah dos Emirados Árabes Unidos e muitas outras áreas até ao norte, em direcção ao Kuwait, implica grandes perturbações nas colónias destas aves e uma diminuição da sua taxa reprodutora. 

O zoo do Dubai relata agora o sucesso da reprodução em cativeiro de corvos marinhos de Socotra, tendo já onze pares reprodutores. Oito crias já nasceram e mais são esperadas, já que ainda há aves a chocar. 

Após atingirem um ano de idade, estas crias serão libertadas num lago da cidade e alimentadas com peixe. Se tudo correr bem, espera-se que, posteriormente, voem para as águas próximas do golfo e vivam selvagens. 

 

 

Saber mais:

Biologists come close to cloning primates

Mule cloned

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja receber o boletim Born to be Wild clique aqui!!

Respeitar os animais é respeitarmo-nos a nós próprios!

@ Born to be Wild & À Descoberta da Vida, 2004


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com