2004-10-11

Subject: Comércio de raro golfinho asiático proibido

News of the Wild

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the  Wild

Este boletim é mantido pelo site Born to be Wild, para que não esqueça o seu lado selvagem ...

 

Em destaque:

Comércio de raro golfinho asiático proibido

  Questões ou comentários para: borntobewild@clix.pt

Dê o site Born to be Wild a conhecer a um amigo!!

 

A Convenção Internacional sobre o Comércio de Espécies Ameaçadas (CITES) proibiu a comercialização de uma espécie rara de golfinho asiático. Os ambientalistas consideram esta atitude crucial para salvar o golfinho de Irrawaddy, cujo efectivo se pensa ser inferior a 1000 animais, na natureza.

A proposta para proibir o comércio foi avançada pela Tailândia, país anfitrião da conferência da CITES este ano. Simultaneamente, a CITES impôs regras mais rigorosas para a utilização de caviar e cactos usados em comprimidos de dieta.

"A proposta da Tailândia para a proibição do comércio do golfinho de Irrawaddy reflecte o crescente significado da conservação da costa", refere Robert Mather, do programa de conservação global do WWF. "Estamos muito encorajados por este desenvolvimento e acreditamos que as comunidades tailandesas se irão aperceber dos benefícios económicos resultantes do desenvolvimento do ecoturismo em volta dos golfinhos de Irrawaddy selvagens, em vez do comércio de animais vivos."

A decisão da CITES coloca os golfinhos de Irrawaddy no chamado Apêndice I, onde se junta a espécies como os grandes símios e os tigres, consideradas tão ameaçadas que não é permitido qualquer tipo de comércio com elas. Os golfinhos de Irrawaddy são encontrados em pequenas populações geograficamente isoladas desde a Austrália à Índia e às Filipinas.

A sua capacidade de viver tanto em água salgada como doce torna-os muito populares nos espectáculos de cetáceos, onde os tanques de água doce são menos dispendiosos de manter. São também muito fáceis de treinar e extremamente carismáticos, o que os torna atracções populares.

"A maioria dos zoos e aquários legítimos já se recusam a apresentar golfinhos de Irrawaddy devido ao seu estatuto de espécie ameaçada", refere Karen Steuer, conselheira do WWF. "Mas ainda existe um comércio muito activo de animais para espectáculos e parques aquáticos em toda a Ásia."

Apesar disso, de longe, a maior ameaça que os golfinhos enfrentam é o afogamento em redes de pesca. Estes mamíferos vivem em águas rasas ou em rios e sofrem uma elevada taxa de mortalidade devida a serem capturas secundárias das redes de pesca. De acordo com o WWF, os golfinhos de Irrawaddy das Filipinas estão reduzidos a menos de 70 indivíduos e irão desaparecer por completo se nada for feito em relação à questão das capturas secundárias.

Durante a conferência a decorrer em Banguecoque, os delegados da CITES consideraram também o estatuto de várias outras espécies ameaçadas. A comissão concordou em incluir o raro cacto hoodia no Apêndice II, o que permitirá regular o seu comércio a nível mundial, a pedido da África do Sul, Namíbia e Botswana. 

 

O cacto hoodia é muito procurado pelas companhias farmacêuticas pelas suas propriedades de supressor do apetite. A planta tem sido utilizada há milhares de anos pelos bosquímanos San para lhes reduzir o apetite durante as longas caminhadas através do deserto do Kalahari e detém o segredo para drogas potencialmente lucrativas anti-obesidade.

O Conselho da Investigação Científica e Industrial Sul Africano patenteou o extracto químico do cacto hoodia e autorizou a companhia inglesa que comercializa drogas vegetais Phytopharm PLC a desenvolver o potencial comercial da planta. A Phytopharm apoia medidas que protejam o hoodia do cultivo ilegal.

"Estamos muito satisfeitos com o resultado", disse o John Donaldson, delegado sul africano, acrescentando que seria de todo o interesse que o cacto hoodia seja usado de forma sustentada.

Os delegados da CITES também decidiram reduzir as quotas de exportação de caviar do mar Cáspio para 2004, o que irá levar à subida dos preços desta iguaria de luxo.

"Os estados do Cáspio concordaram em reduzir substancialmente as suas exportações de caviar deste ano", refere Jim Armstrong, subsecretário geral da CITES. O Azerbaijão, Irão, Cazaquistão e Rússia concordaram em reduzir as suas quotas combinadas de caviar para 2004 de 146210 Kg em 2003 para 113554 Kg.

A sua quota combinada de exportações de caviar beluga, o mais raro e mais valorizado dos esturjões, foi reduzida em cerca de 50%, para 4425Kg. O Cáspio produz 90% do fornecimento de caviar mundial, mas anos de pesca furtiva e poluição destruíram os stocks de esturjão e forçaram a redução das quotas.

A conferência da CITES continua até 14 de Outubro. Todas as decisões tomadas na reunião terão que ser confirmadas em sessão plenária no final da cimeira de 12 dias. 

 

 

Saber mais:

CITES

Joga EcoQuest e ajuda a conservar os golfinhos deIrrawaddy!

Descobre mais sobre espécies ameaçadas

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja receber o boletim Born to be Wild clique aqui!!

Respeitar os animais é respeitarmo-nos a nós próprios!

@ Born to be Wild, 2004


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com